Vice de Bush quer atacar logo o Iraque

O vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, defendeu o plano do governo do presidente George W. Bush para derrubar o regime do presidente iraquiano Saddam Hussein. "São familiares para mim os argumentos contrários a uma ação no caso de Saddam Hussein. Alguns admitem que Saddam é mau, faminto de poder e uma ameaça, mas dizem que, até que ele ultrapasse os limites e consiga ter armas nucleares, nós deveríamos descartar qualquer ação preventiva. Essa lógica me parece profundamente falha", disse Cheney em discurso na associação Veteranos de Guerras Estrangeiras (VFW), em Nashville (Tennessee). O pronunciamento foi transmitido pelas maiores redes de televisão dos EUA. Segundo Cheney, "não há dúvidas de que Saddam tem armas de destruição em massa". O vice presidente acrescentou que os EUA "não vão viver à mercê de terroristas ou de regimes terroristas". O vice-presidente declarou que deixar de agir logo daria a Saddam Hussein tempo para fortalecer o regime. "Se nós esperássemos até esse momento, Saddam simplesmente se tornaria mais audacioso e seria ainda mais difícil para nós reunir amigos e aliados que se oponham a ele", afirmou. Ele também se disse confiante em que Bush vai consultar o Congresso e os aliados dos EUA antes de decidir sobre curso de ação. No rancho de Bush em Crawford (Texas), onde o presidente passa férias desde o começo de agosto, um funcionário do governo disse que, na opinião dos advogados da Casa Branca, não será necessário pedir permissão ao Congresso para lançar uma ação militar de grande escala contra o Iraque.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.