Vice de McCain usou cargo para perseguir ex-cunhado

Nova York - Uma comissão parlamentar estadual do Alasca emitiu ontem um relatório que aponta violação da lei de ética e abuso de poder por parte da governadora Sarah Palin, candidata à vice-presidência dos EUA pelo Partido Republicano. Ela usou seu cargo para tentar demitir o policial rodoviário e ex-marido de sua irmã, Michael Wooten.Apesar do conteúdo condenatório, o relatório de quase 300 páginas não recomenda nenhuma sanção ou investigação criminal contra Sarah. Ainda assim, o documento prejudica a campanha do republicano John McCain, já combalida pela crise econômica. O escândalo, conhecido como "Troopergate", ganhou dimensão nacional logo após a escolha de Sarah como vice de McCain. O relatório conclui que a governadora destituiu, por motivos pessoais, Walt Monegan, comissário de segurança pública do Alasca que teria se recusado a demitir o então cunhado de Sarah, que era acusado de violência doméstica contra sua irmã.Em outro golpe para Sarah, um juiz federal ordenou ontem que o Estado do Alasca preserve todos os e-mails enviados pela governadora por meio de endereços eletrônicos privados - Sarah usou e-mails pessoais para tratar de assuntos oficiais, o que é considerado ilegal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.