Vice de Obama chega ao Paquistão

O vice-presidente dos EUA, Joe Biden, chegou na quarta-feira ao Paquistão para pressionar o governo local a intensificar o combate aos militantes, mas terá de agir com cuidado para não abalar ainda mais as relações bilaterais.

PATRICIA ZENGERLE, REUTERS

12 de janeiro de 2011 | 10h04

Biden passou dois dias em Cabul, onde na terça-feira cobrou mais empenho paquistanês no combate ao Taliban e a outros militantes do Afeganistão, de onde os EUA se preparam para retirar suas tropas.

"(A retirada norte-americana) vai exigir mais pressão - mais pressão sobre o Taliban, do lado paquistanês da fronteira, do que temos sido capazes de exercer até agora. E há muitos dias difíceis pela frente", afirmou ele.

Áreas tribais do Paquistão na região da permeável fronteira com o Afeganistão supostamente abrigam militantes do Taliban e da Al Qaeda. O governo paquistanês já realizou várias ofensivas na região, mas diz não ter capacidade para fazer mais do que isso.

As relações entre os aliados EUA e Paquistão têm estado abaladas devido às queixas paquistanesas de que Washington não presta apoio adequado e não entende suas necessidades de segurança. Bombardeios dos EUA contra militantes no Paquistão, eventualmente com vítimas civis, também prejudicam as boas relações.

(Reportagem adicional de Kamran Haider, Zeeshan Haider e Augustine Anthony em Islamabad)

Tudo o que sabemos sobre:
PAQUISTAOBIDENVISITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.