Vice diz que Iraque abrirá palácios a inspetores da ONU

O vice-presidente iraquiano, Taha Yassin Ramadan, disse em entrevista à revista alemã Der Spiegel, que seu país está pronto para permitir a visita dos inspetores de armas da ONU aos oito complexos presidenciais - uma das exigências-chave dos EUA para evitar um ataque ao Iraque. Numa reunião em Viena com a ONU há duas semanas, o regime iraquiano já havia concordado em abrir os palácios de Saddam Hussein às inspeções, desde que obedecendo a procedimentos especiais estabelecidos por um memorando aprovado em 1998 pelo Conselho de Segurança.Washington rejeitou essa oferta, alegando que tais procedimentos limitavam as inspeções. Ramadan não esclareceu se o Iraque estaria disposto a abrir mão do documento de 1998. Em outro sinal de distensão, o chanceler britânico, Jack Straw, declarou hoje que as pressões sobre Saddam estão dando resultado e a possibilidade de uma guerra está diminuindo. "A pressão, incluindo a ameaça concreta de um ataque militar, deve permanecer sempre como opção", ressaltou Straw.Nesse sentido, segundo o jornal The New York Times, o Pentágono espera começar a vacinar 500 mil soldados contra varíola até a metade de novembro. Em Bagdá, cerca de 500 clérigos islâmicos lançaram hoje uma fatwa (decreto religioso) na qual convocam todos os muçulmanos do mundo à jihad (guerra santa) contra os EUA. "Se, que Deus não queira, se realiza a agressão, declarar a jihad contra os perversos EUA é o dever de todos os muçulmanos", diz a fatwa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.