Vice iraquiano diz que foi surpreendido por execuções

O vice-presidente do Iraque, Tariq al-Hashemi, disse nesta segunda-feira em Londres que a execução de dois colaboradores do ex-presidente iraquiano, Saddam Hussein, na madrugada, o surpreenderam, já que um adiamento tinha sido solicitado. Em declarações ao Channel 4, Hashemi, que nesta segunda-feira se reuniu com o primeiro-ministro do Reino Unido, Tony Blair, assegurou que o Conselho da Presidência iraquiana, do qual faz parte junto com o presidente do país, Jalal Talabani, não foi consultado antes dos enforcamentos."Não fomos consultados e fui surpreendido porque o Conselho da Presidência tinha apelado para que as execuções fossem adiadas", disse Hashemi em declarações divulgadas pela agência local britânica "PA".O vice-presidente garantiu que, embora não pretendesse defender os dois condenados, tinha dúvidas sobre o julgamento."De fato, não me agrada como foi feito o julgamento e não me agrada como foi feita a execução", manifestou.O meio-irmão de Hussein, Barzan al-Tikriti, e o juiz Awad Hamadal-Bandar, condenados à morte em 5 de novembro com o ex-ditador,foram executados esta madrugada em Bagdá na presença de um pequenonúmero de pessoas. Algumas informações sugerem que Tikriti foi decapitado durante o enforcamento.Tikriti era chefe dos serviços de espionagem em 1982, enquanto Bandar presidia o tribunal revolucionário que julgou e condenou à morte 148 xiitas da aldeia de Dujail em um julgamento sumário, por seu envolvimento em um atentado fracassado contra Hussein. Um porta-voz de Blair afirmou hoje que o governo britânico reiterou ao iraquiano até o último momento que se opõe à pena de morte, e insistiu que, em todo caso, as execuções devam ser realizadas "de maneira digna". Um representante do Governo iraquiano, Ali al-Dabbagh, garantiu que as execuções respeitaram a legislação vigente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.