Vice-ministro da Defesa de Israel não descarta ataque ao Irã

Israel não descarta um ataque contra o Irã para pôr fim a seu programa nuclear, afirma o vice-ministro israelense de Defesa, Ephraim Sneh, em declarações publicadas nesta sexta-feira no jornal Jerusalem Post. "Não estou defendendo uma ação militar preventiva israelense contra o Irã, estou consciente das possíveis repercussões que teria", afirma o ministro. "Considero que deve ser o último recurso. Mas o último recurso às vezes é também o único que há", acrescentou. As palavras de Sneh, um conhecido trabalhista que assumiu o cargo há apenas duas semanas, são as mais extremas nesse sentido já feitas por um político israelense do primeiro escalão. A política israelense em relação ao Irã, um de seus maiores inimigos, consiste em deixar que a comunidade internacional trate do problema. Para Sneh, general-de-brigada reservista do Exército, Israel não pode "viver sob uma nuvem de medo de um líder que está comprometido com sua destruição (a do Estado judeu)", em alusão ao presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad. "Sob essa ameaça, a maioria dos israelenses preferiria não viver em Israel, e os que podem viver no exterior irão embora", explica. Por isso, acrescenta, "devemos impedir a todo custo que um regime como este (o iraniano) alcance a capacidade nuclear".

Agencia Estado,

10 Novembro 2006 | 10h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.