Vice-premier sérvio renuncia por falha em prender criminoso de guerra

O vice-premier sérvio, Miroljub Labus, renunciou ao cargo nesta quarta-feira depois da suspensão das negociações entre a União Européia (UE) e a Sérvia sobre a entrada do país no bloco europeu. A UE cancelou as conversas com Belgrado depois de concluir que o governo sérvio não se empenhou o suficiente para prender o criminoso de guerra Ratko Mladic, um dos responsáveis pela morte de mais de 7 mil homens e garotos no massacre de Srebrenica. O governo "traiu o mais importante interesse do Estado e dos cidadãos da Sérvia" ao falhar em prender Mladic e assegurar as condições para as conversas de com a União Européia, argumenta Labus na carta de renúncia entregue ao primeiro-ministro sérvio, Vojislav Kostunica.Além de vice-premier, Labus era também o negociador chefe do país com União Européia.A UE suspendeu nesta quarta-feira as negociações de filiação da Sérvia e Montenegro ao bloco em resposta ao fracasso do governo em entregar Mladic ao Tribunal Internacional de Crimes de Guerra de Haia, na Holanda. O prazo para a entrega do ex-comandante sérvio-bósnio expirou no último dia 30."Como vice-premier e chefe do time de negociadores com a União Européia, eu não quero ser responsável" pelas promessas não cumpridas diante do Tribunal de Haia, disse Labus, que acrescentou: "Continuo profundamente convencido de que não há estilo de vida melhor do que a vida na comunidade européia".Labus sublinhou que sua saída não deve levar necessariamente ao colapso do gabinete. O partido do vice-premier, o liberal G17 Mais, planeja realizar um enquete interna no sábado para decidir se deve continuar no governo. Mesmo que o partido abandone o governo, seus representantes no parlamento sérvio continuarão a dar suporte ao Gabinete "enquanto as conversas sobre a situação do Kosovo continuarem", disse Labus, referindo-se às negociações sobre o futuro da província separatista, localizada no sudeste do país. Turbulência política O chefe pelas relações com a corte de crimes de guerra das Nações Unidas, Rasim Ljajic, previu, no entanto, "turbulência política" pela frente."Isso pode balançar seriamente o governo", disse Ljajic. "Mas eu não acho que a nação deva se desesperar. Ao invés disso, devemos intensificar nossos esforços para entregar Mladic ao tribunal de Haia."Ao menos dois partidos de oposição exigiram nesta quarta-feira a demissão imediata de todo o gabinete, incluindo Kostunica.Um dos partidos, o Liberal-Democrata afirma que Kostunica e todos os seus "são responsáveis" pelo isolamento da Sérvia pela União Européia. Labus também criticou os serviços de segurança da república, conhecidos por serem compostos por nacionalistas linha dura e partidários de Mladic, e afirmam que eles "procuraram Mladic em todos os lugares exceto onde ele está escondido". "Eles não fazem seu trabalho corretamente", acrescentou.Contudo, Kostunica defendeu sua equipe, garantindo que o governo fez "absolutamente tudo em seu poder para capturar Mladic e enviá-lo para Haia".Com as recentes prisões de vários partidários de Mladic Kostunica disse que a toda a rede do fugitivo foi descoberta e que agora "Mladic está escondendo completamente sozinho". O primeiro-ministro pediu ainda que Mladic se entregue.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.