Vice-presidente de Cuba reafirma estabilidade do regime

O vice-presidente de Cuba, Carlos Lage, mandou nesta quarta-feira uma mensagem de tranqüilidade sobre o futuro do regime durante a 14ª Cúpula do Movimento de Países Não-Alinhados (Noal). "Cuba vive seu momento mais seguro e promissor", assegurou Lage, ao abrir uma reunião de chanceleres.Participam do encontro em Havana delegações oficiais de 116 países em desenvolvimento de todo o mundo. No fim de julho, o presidente Fidel Castro delegou suas funções de governo a seu irmão Raúl, para se recuperar de uma cirurgia.Na terça-feira, Raúl Castro afirmou à rede de televisão latino-americana Telesur que "não se deve pensar que (Fidel Castro) está jogado em uma cama. "Ele está com um telefone, dando ordens", afirmou.Fidel Castro não aparece em público há quase dois meses, o que aumentou as especulações sobre a gravidade de seu estado e sobre as possibilidades de sua recuperação.Desde então, os meios de comunicação oficiais cubanos distribuíram um limitado número de fotos em que Castro aparece fragilizado, convalescente de uma operação intestinal."Nos anos 90, a revolução cubana viveu os momentos mais duros e difíceis de sua história, após a queda do bloco comunista soviético. Agora, no entanto, é possível afirmar que o país vive seu momento mais seguro e promissor", afirmou Lage, durante a inauguração da reunião ministerial preparatória para a cúpula do Noal.Segundo o vice-presidente cubano, isso "parece um milagre, mas não é". "É a façanha de todo um povo abnegado e impassível", afirmou.Durante seu discurso, Lage atacou os Estados Unidos ao afirmar que o mundo sofre com "o domínio crescente de uma nação que exerce pressões econômicas e políticas sem escrúpulos"."Eles consideram ter o direito de invadir qualquer país para alcançar seus objetivos", afirmou.Lage também criticou os gastos bélicos internacionais, o "roubo" de pessoal qualificado formado em nações em desenvolvimento por países ricos e o livre-comércio, e defendeu "a concepção de uma nova ordem econômica mundial mais justa e igualitária".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.