Vice-presidente do Irã reitera proibição de armas nucleares

O vice-presidente iraniano, Parziv Davoudi, reiterou nesta sexta-feira que o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, proíbe seu país de usar armas nucleares.Davoudi, um dos dez vice-presidentes do Irã, também alertou que o governo do país reagirá contra qualquer eventual ação militar que venha a sofrer no futuro."Qualquer agressor deve tirar da cabeça a idéia de invadir o Irã porque nossas forças armadas são sérias e poderosas o bastante para contra-atacar", declarou Davoudi durante um desfile militar na capital Teerã.As declarações do vice-presidente têm como endereço mais provável os Estados Unidos, engajados numa campanha aberta contra as ambições nucleares iranianas.Os EUA acusam o Irã de desenvolver em segredo um programa nuclear bélico. Teerã assegura que suas usinas atômicas têm fins estritamente pacíficos de geração de energia elétrica.O aiatolá Khamenei, o presidente do Irã Mahmoud Ahmadinejad e outras autoridades influentes na sociedade iraniana já manifestaram em diversas ocasiões que o Islã proíbe a posse e o uso de armas atômicas.Segundo Davoudi, as guerras travadas pelos Estados Unidos no Iraque e no Afeganistão disseminaram "insegurança e terrorismo" ao redor do mundo.Suas declarações foram feitas durante o desfile militar realizado para marcar o 26º aniversário do início da Guerra Irã-Iraque. A parada contou com a exposição de mísseis de fabricação iraniana, inclusive o Shahab 3, que teria capacidade de transportar uma ogiva nuclear.Uma versão modernizada do míssil balístico tem alcance de mais de 2.000 quilômetros - suficiente para atingir Israel e alvos americanos no Oriente Médio. Shahab significa "estrela cadente" em farsi.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.