Vice-presidente do Irã viaja à Rússia para assinar acordo nuclear

O vice-presidente iraniano, Gholam Reza Aghazadeh, também chefe do Organismo de Energia Atômica do Irã (OEAI), chega nesta segunda-feira à Rússia para assinar um acordo de cooperação Nuclear. Gholam Reza se reunirá com o chefe da Agência Atômica Russa (Rosatom), Serguei Kiriyenko, com o qual selará um documento para a implementação da central de Bushehr, construída por engenheiros russos nas margens do Golfo Pérsico, informou a agência oficial russa "Itar-Tass".No documento, serão fixados os prazos definitivos para o arranque do primeiro reator e a conexão da usina atômica à rede geral. Além disso, ambas as partes devem definir as datas para a provisão de combustível nuclear, que deve ser produzido seis meses antes do arranque do reator, aproximadamente em março do próximo ano.A Rússia assinou no começo de 2005 um acordo com o Irã para a provisão de combustível nuclear para Bushehr e um protocolo adicional sobre a devolução do material usado.O chefe de Rosatom adiantou na semana passada, em Viena, que "a planta entraria em funcionamento em setembro do próximo ano e será conectada à rede geral dois meses mais tarde". Além disso, Kiriyenko negou qualquer vinculação entre este projeto e a atual crise nuclear iraniana, já que "não existe nenhum risco de enriquecimento nas instalações de Bushehr e de uso de materiais nucleares com outros fins, além dos pacíficos".A central de Bushehr, de 1.000 megawatts de potência, está localizada a doze quilômetros da cidade de mesmo nome, nas margens do Golfo Pérsico.O contrato para a construção da fábrica de Bushehr, que começou a ser erguida em 1975 pela companhia alemã Siemens e não foi concluída em função da explosão da Revolução Islâmica (1979), foi assinado por russos e iranianos em 1995 pelo valor de US$ 780 milhões.A Rússia alega que sua cooperação com o Irã em matéria nuclear acontece com o respaldo da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA). Moscou afirma também está disposta a construir novas centrais na república islâmica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.