Vice-presidente do Iraque se recusa a ir a julgamento

O vice-presidente do Iraque, Tareq al-Hashemi, que é acusado de crimes de terrorismo, disse hoje em entrevista à agência de notícias AFP que não irá a Bagdá para ser julgado, elevando a perspectiva de fuga do Iraque. Hashemi, escondido em uma casa de hóspedes oficial do presidente iraquiano, Jalal Talabani, na região curda autônoma do país, reconheceu que seus guardas podem ter realizado os ataques, mas ele tem negado constantemente qualquer envolvimento.

CLARISSA MANGUEIRA, Agência Estado

25 de dezembro de 2011 | 18h42

O mandado contra Hashemi, emitido há quase uma semana, tem sido o foco de uma disputa política entre o primeiro-ministro xiita Nuri al-Maliki e o bloco Iraqiya, apoiado pelos sunitas, que é uma parte de seu governo de união nacional e do qual o vice-presidente é membro. Perguntado se retornará à Bagdá para enfrentar um julgamento, Hashemi disse à AFP: "Claro que não".

Ele atribuiu sua recusa a viajar para a capital à fraca segurança e à politização do sistema de Justiça. Segundo ele, a maior parte de seus guardas foram presos e suas armas confiscadas. Ele acrescentou que "não há segurança para o vice-presidente". "Como eu posso voltar à Bagdá, se eu não posso me proteger?"

"O Conselho Judicial do Iraque está sob controle e influência do governo central, e isso é um grande problema", acrescentou Hashemi em entrevista de uma hora em Qalachwalan, na periferia de Sulaimaniyah, a segunda cidade do Curdistão, durante o qual ele estava cercado por guardas desarmados. "É por isso que eu pedi para transferir o caso para o Curdistão... A Justiça não estará politizada aqui."

Desde que as tropas dos EUA concluíram sua retirada há uma semana, o Iraque entrou numa crise política, com Hashemi sendo procurando e Maliki pedindo a demissão do vice sunita após Hashemi chamá-lo de ditador "pior do que Saddam Hussein". As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueEUAretiradacrisepolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.