Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

Vice-presidente dos EUA celebra casamento homossexual em casa

Joe Biden obteve certidão especial para poder casar Brian Mosteller e Joe Mahshie, dois funcionários veteranos da Casa Branca; político foi um dos primeiros democratas a defender o casamento gay, em 2012

O Estado de S. Paulo

03 Agosto 2016 | 10h33

WASHINGTON - O vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, um dos primeiros políticos a apoiar abertamente a união homossexual no país, celebrou na segunda-feira um casamento entre dois homens que trabalham há anos para a Casa Branca, informou a imprensa local na terça-feira, 2.

Biden obteve uma certidão especial para poder casar Brian Mosteller e Joe Mahshie, dois empregados da Casa Branca que o pediram para oficiar o casamento, segundo indicaram fontes do escritório do vice-presidente ao jornal "The Washington Post".

"Estou orgulhoso por casar Brian e Joe em minha casa. Não poderia estar mais feliz: são dois funcionários veteranos da Casa Branca e duas grandes pessoas", escreveu Biden em sua conta oficial no Twitter, junto a uma fotografia na qual sorri perante os namorados.

Em entrevista exibida em 2012, Biden afirmou que se encontrava "absolutamente cômodo" com o casamento homossexual, em um momento em que ninguém no governo americano apoiava publicamente esse tipo de união.

Pouco depois, o presidente Barack Obama se viu obrigado a reconhecer seu apoio aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo, gerando uma corrente que culminou na decisão da Suprema Corte de legalizar o casamento gay em 2015.

O casamento, realizado na residência do vice-presidente em Washington, contou apenas com a presença dos parentes diretos dos namorados, segundo a Casa Branca, que detalhou que esta foi a primeira união oficiada por Biden.

Um dos noivos, Mosteller, é o assistente especial de Obama e diretor de operações do Salão Oval, encarregado de garantir que as necessidades do presidente estejam cobertas e de supervisionar cada detalhe de seu dia a dia; enquanto Mahshie é coordenador de viagens da primeira-dama, Michelle Obama.

Em entrevista em fevereiro ao jornal "The Washington Post", Mosteller lembrou que estava perto de Obama quando o líder declarou, em entrevista televisiva, apoio ao casamento homossexual, e não pôde conter as lágrimas quando o presidente o perguntou se tinha se saído bem.

"Quando eu era jovem, não podia sequer imaginar que poderia ser um casal, e agora estava com o presidente dos Estados Unidos falando desse tipo de relação, e não só era algo público, mas também muito normal", disse Mosteller sobre esse momento. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.