Vice-secretário de Estado dos EUA deve visitar Sudão e Líbia

A segunda maior autoridade do Departamento de Estado dos EUA visitará o Sudão e a Líbia na próxima semana a fim de discutir a crise em Darfur enquanto o governo norte-americano ameaça adotar novas e duras medidas contra o governo sudanês, disse o órgão dos EUA na quinta-feira.John Negroponte, vice-secretário de Estado, será a autoridade mais importante do departamento a visitar a Líbia desde que os dois países restabeleceram seus laços diplomáticos, em maio de 2006. Sean McCormack, porta-voz do órgão, afirmou que as negociações tratariam de Darfur e não de assuntos bilaterais.O vice-secretário também visitará o Chade, outro país da região envolvido no conflito de Darfur, onde mais de 200 mil pessoas foram mortas e 2,5 milhões fugiram de suas casas desde 2003 em algo que os EUA descrevem como sendo um genocídio. O Sudão nega que um genocídio esteja acontecendo na área.Governos de vários países mostram-se cada vez mais impacientes com o presidente sudanês, Omar Hassan al-Bashir, devido à recusa dele em permitir que uma força da União Africana (UA) e da Organização das Nações Unidas (ONU) desembarque em Darfur.Em vista disso, os EUA prepararam um pacote de novas sanções para impor contra o governo sudanês. "Ele (Negroponte) encorajará o governo do Sudão a permitir o envio do pacote híbrido UA/ONU, algo fundamental para prover segurança e uma maior estabilidade a Darfur", disse McCormack."Tenho certeza de que teremos uma conversação direta com a liderança sudanesa a respeito da postura dela diante do ordenamento internacional", acrescentou, quando questionado sobre se Negroponte daria um ultimato a Bashir.Autoridades norte-americanas afirmaram na semana passada que a adoção de novas medidas poderia acontecer dentro de alguns dias. Mas um anúncio parece ter sido adiado depois de o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, haver dito que desejava ter mais tempo para conversar com o presidente sudanês.Os EUA trabalham em coordenação com a Grã-Bretanha, que assumiu neste mês a Presidência do Conselho de Segurança da ONU, a fim de elaborar uma nova resolução sobre Darfur, que poderia incluir sanções.As sugestões norte-americanas prevêem a inclusão de outras empresas na lista de sanções bem como limites a negócios feitos em dólares por empresas do Sudão e a imposição de restrições de viagem e de transações financeira."Papel positivo""Se eles não mudarem de comportamento, eu não vejo como evitar que os EUA e outros países adotem medidas adicionais", disse McCormack.Segundo o porta-voz, o governo dos EUA deseja que a Líbia desempenhe um papel não apenas ajudando na resolução da crise, mas também encorajando o Sudão a aceitar a força mista.O enviado especial dos EUA para o território sudanês, Andrew Natsios, visitou Trípoli no mês passado para tentar esclarecer o papel do país a respeito de Darfur. E McCormack afirmou que Negroponte também desejava ter mais informações a esse respeito.O líder líbio, Muammar Gaddafi, organizou uma série de pequenas cúpulas nos últimos dois anos, a fim de discutir a guerra em Darfur. O porta-voz norte-americano afirmou não saber se o vice-secretário se reuniria com Gaddafi.O dirigente da Líbia, que defende soluções africanas para conflitos africanos e que evita aderir abertamente à diplomacia dos EUA, vê os vizinhos Sudão e Chade como um território diplomático seu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.