Videla diz que ditadura foi cruel, mas não sádica

O ex-ditador Jorge Rafael Videla afirmou que a ditadura militar argentina (1976-83) foi "cruel", mas não "sádica". "Que fomos cruéis, ninguém duvide. Isso foi dentro do marco de crueldade que toda guerra impõe por sua própria natureza. Mas não fomos sádicos nem integramos associações ilícitas", defendeu-se Videla, em declarações feitas no banco dos réus do tribunal de Córdoba, onde está sendo julgado pelo assassinato de 31 presos políticos dessa cidade, em 1976. Em sete anos, a repressão da ditadura argentina foi responsável pelo assassinato de 30 mil civis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.