Vídeo de abordagem policial de adolescentes negros no Texas causa indignação e protestos

Menina foi atirada ao chão pela polícia; jovens estavam em uma festa na piscina pública de um bairro de classe alta em McKinney

O Estado de S. Paulo

09 de junho de 2015 | 09h37

AUSTIN - Cerca de 500 pessoas se concentraram na segunda-feira 8 em uma piscina de McKinney (Texas, EUA) para protestar contra a agressão policial sofrida por jovens negros no sábado no mesmo local.

A ação policial havia sido gravada e o vídeo se espalhou pelas redes sociais, provocando uma grande indignação no país, onde durante os últimos meses se sucederam os escândalos por casos de violência policial.

Na gravação é possível ver um policial branco do departamento de Polícia de McKinney, identificado pela corporação como Eric Casebolt, imobilizando uma jovem de 14 anos e a jogando no chão, ato que provocou a reação dos amigos da menina, que rodeiam o policial, que por sua vez responde empunhando sua arma e apontando contra o grupo.

Os jovens participavam de uma festa na piscina pública de Craig Ranch, um bairro de maioria branca e rica de McKinney. O departamento de Polícia de McKinney explicou em comunicado que o caso ocorreu depois que os policiais, alertados por ligações de moradores, "falaram com uma multidão de jovens que rejeitaram cumprir suas ordens".

As ligações denunciavam que um grupo de jovens "alheios ao bairro" estavam provocando "incidentes". Apesar dessa justificativa, a Polícia de McKinney abriu uma investigação, e diante da pressão social suspendeu temporariamente Casebolt. 

Manifestações. "O problema com McKinney não é só racial, também é de classe", disse durante o protesto de segunda-feira o reverendo Derrick Golden, da Amazing Church, que rejeitou fazer comparações com Ferguson ou Baltimore, cidades que nos últimos meses viveram grandes protestos raciais.

Segundo denunciaram alguns dos jovens envolvidos no caso, os moradores de Craig Ranch os repreenderam e a Polícia, acrescentaram, teve uma reação racista.

De fato, algumas versões apontam que a briga começou quando uma mulher disse aos jovens de forma depreciativa que voltassem para a "Seção 8", bairro de maioria afro-americana no qual moram.

A maioria dos 500 participantes do protesto de segunda eram afro-americanos e, muitos, conhecidos dos jovens que festejavam sábado, informou o jornal local The Dallas Morning News. 

Nesta terça-feira, 9, novas manifestações podem ocorrer em diversos pontos de Dallas. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
TexasEUAviolência policialDallas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.