Vídeo de igreja atacada no Texas mostra atirador frio e metódico

Vídeo de igreja atacada no Texas mostra atirador frio e metódico

Devin Kelley levou sete minutos para executar 26 pessoas; pelas regras atuais ele não poderia ter tido acesso a armas

O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2017 | 17h14

WASHINGTON - Uma câmera de vídeo usada para gravar cultos na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs, no Texas, captou a ação do atirador Devin Kelley, responsável pela morte de 26 pessoas no domingo, e mostrou a ação de um assasssino frio e metódico, que mirava os disparos na cabeça das vítimas, disseram fontes ligadas à investigação. 

+ Em Seul, Trump rejeita necessidade de debater controle de posse de armas nos EUA

O vídeo, cuja divulgação ainda não foi autorizada pelo FBI, tem duração de sete minutos. Nele, Kelley carrega um fuzil AR-15 e uma sacola com mais de 400 conjuntos de munição. No total, dez mulheres, sete homens e oito crianças morreram, além de um bebê ainda no ventre de uma das vítimas. 

O Departamento de Segurança Pública do Texas divulgou na quarta-feira a identidade das vítimas. A mais nova tinha apenas um ano, e a mais velha, 77. Oito delas eram da mesma família – os Holcombe. 

O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, esteve na igreja alvo do ataque, também na quarta-feira, e participou de uma vigília em homenagem às vítimas. “A bíblia nos ensina que Deus se aproxima dos entristecidos. Essa será nossa oração”, disse. 

+Para lembrar: Os ataques a tiros contra igrejas nos EUA

 Kelley já tinha sido condenado em 2012, quando estava na Força Aérea, por agressão doméstica. Ele chegou a ser julgado pela Justiça militar e passou um tempo na cadeia, o que deveria ter vetado o acesso dele a armas. Apesar disso, a condenação não foi inserida no sistema de checagem de antecedentes pela Força Aérea americana. 

Kelley também teve outros problemas com a Justiça, tanto civil quanto militar. Ele tentou traficar armas e ameaçou oficiais na Base Aérea de Holloman, no Novo México. O atirador também passou um tempo sob avaliação psiquiátrica e fugiu

Após deixar a Força Aérea, ele chegou a ser multado por crueldade com animais, depois de ter sido flagrado espancando seu cachorro – apenas essa multa já teria sido suficiente para proibir que ele adquirisse uma arma. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.