Vídeo de palestinas enfrentando soldado de Israel durante protesto repercute na web; veja

Vídeo de palestinas enfrentando soldado de Israel durante protesto repercute na web; veja

Nas imagens, gravadas durante manifestação na Cisjordânia na sexta-feira, parentes de um adolescente de 12 anos imobilizado pelo soldado agridem o militar até conseguirem libertar o garoto

O Estado de S. Paulo

31 de agosto de 2015 | 11h20

CISJORDÂNIA - O vídeo de um soldado israelense sendo enfrentado por mulheres e adolescentes palestinos durante um protesto na Cisjordânia, na sexta-feira, se tornou viral e já foi visto mais de 2,3 milhões de vezes no Facebook. A confusão aconteceu no vilarejo de Nebi Saleh, região que costuma registrar confrontos entre tropas israelenses e manifestantes palestinos com frequência. Segundo moradores do vilarejo palestino, um assentamento judeu na região teria restringido o acesso à uma fonte de água.

Nas imagens, um soldado usando uma balaclava tenta imobilizar Mohamed Tamimi, um garoto de 12 anos que está com um dos braços engessados, com um estrangulamento. No entanto, o soldado é cercado por parentes do menino, incluindo a mãe, a tia e a irmã do adolescente, que puxam a pele e o uniforme do militar e o agridem até o adolescente ser solto. 

Em determinado momento, é possível ver a irmã do garoto - uma jovem loira de 15 anos que ficou famosa em 2012 em outro vídeo no qual aparece enfrentando soldados israelenses - mordendo a mão do soldado. Algumas pessoas que tentam acalmar a situação gritam: "Ele é um menino. Seu braço está quebrado".

O soldado luta com o garoto e com as parentes do jovem - que conseguem arrancar o gorro do militar - por alguns minutos até um oficial israelense chegar para ajudá-lo. O soldado então se solta e solta o menino, mas antes de deixar a confusão lança uma granada de atordoamento contra o grupo de manifestantes.

O vídeo original foi enviado no fim de semana para a agência Associated Press por Bilal Tamimi, ativista palestino que é parente do garoto. De acordo com a versão de Tamimi, os manifestantes palestinos estavam atirando pedras contra os soldados, mas o adolescente que o soldado tentou imobilizar não teria participado da ação. Fotos exibidas por emissoras de TV de Israel, no entanto, aparentemente mostram o adolescente jogando pedras contra os militares.

Em uma publicação no Facebook, Bassem Tamimi, o pai do adolescente, disse que o garoto precisou de cuidados médicos depois da ação do militar israelense e acusou o Exército de ter atirado contra um outro de seus filhos dois dias antes.

Veja o vídeo das ativistas palestinas enfrentando o soldado israelense:

شاهد كيف قام النسوة بضرب جندي احتلالي في قرية النبي صالح قرب رام الله بعد محاولته اعتقال احد الأطفالPosted by ‎Ramallah City | مدينة رام الله‎ on Sexta, 28 de agosto de 2015

"Nós protegemos nossa família e nossa terra através da resistência", escreveu Tamimi. "Pessoas do mundo, apoiem os palestinos. Apoiem os direitos humanos."

No domingo, o Exército de Israel comentou o caso, dizendo que um "tumulto violento" iniciado por "ativistas célebres" foi registrado durante o protesto e que o soldado tentou prender o garoto porque ele foi identificado como um dos adolescentes que costuma atirar pedras contra soldados. Os militares afirmaram que, no fim, o adolescente foi solto "para evitar a escalada da violência".

Também no fim de semana, outro parente do adolescente que o militar tentou deter postou uma versão mais longa do vídeo, na qual é possível observar praticamente todo o confronto entre as ativistas e o militar.

Tudo o que sabemos sobre:
CisjordâniapalestinosIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.