Vídeo de terrorista do metrô de Londres é levado ao ar

Um vídeo gravado por um dos homens-bomba que atacaram o metrô de Londres no dia 7 de julho de 2005 foi exibido nesta quinta-feira pela rede de televisão Al-Jazira, reportou a BBC. "O que vocês testemunharam agora é somente o começo", disse o terrorista Shehzad Tanweer, de 22 anos, durante a gravação do vídeo. O homem-bomba matou seis pessoas e a si próprio ao acionar o dispositivo dentro de um vagão de metrô de Londres, há um ano. Em setembro, a Al-Jazira exibiu um vídeo de um outro terrorista, Mohammad Sidique Khan, de 30 anos.O editor da Al-Jazira em Doha, Qatar, Ahmed al-Sheikh, disse que a rede não informará as circunstâncias de como conseguiu o vídeo. Al-Sheikh disse ainda que a gravação tem longa duração e que a rede só transmitiu uma pequena parte. Segundo ele, o pacote que continha o vídeo recebido pela emissora também era composto por algumas imagens do terrorista morto Ayman al-Zawahiri e o líder da Al-Qaeda, Osama bin Laden.Segundo Khan, os ataques foram feitos devido à ajuda britânica aos países Ocidentais que "continuamente perpetuam atrocidades" contra o mundo islâmico. "Nós estamos em guerra, e eu sou um soldado", disse o terrorista.O diretor de Operações Especializadas da Polícia Metropolitana, Andy Hayman, afirmou que o vídeo deve se tornar parte da investigação dos ataques em Londres. "Não temos dúvida de que a exibição deste vídeo, nesta data, foi feita exatamente para atacar as famílias e os amigos daqueles que morreram no ataque", disse Hayman.A transmissão do vídeo nesta quinta-feira, um dia antes do primeiro ano após os ataques, foi programado para ter o máximo de impacto sobre o mundo, afirmaram peritos. O autor do livro "The True Story of Radical Islam (A Verdadeira História do Islã Radical, tradução livre)", Jason Burke, disse que "o vídeo mostra a habilidade de Osama bin Laden de manipular a imprensa para conseguir o máximo de publicidade".O chefe da organização anti-terrorista da polícia metropolitana, Peter Clarke, disse na segunda-feira que acreditava que Khan teria gravado seus últimos dizeres fora da Grã-Bretanha. Clarke também confirmou que Tanweer e Khan fizeram pelo menos três viagens para o Paquistão antes das bombas. A última visita aconteceu no começo de 2005.O perito em segurança nacional e inteligência, Bob Ayers, acredita que o vídeo não deverá assustar os londrinos. "As pessoas não irão parar de trabalhar por causa desta fita", disse Ayers. "Ninguém irá parar de usar o metrô. A fita foi produzida há pelo menos um ano, e desde então não aconteceram outros ataques", concluiu o especialista.O escritório do premier britânico Tony Blair disse que o governante não tinha feito nenhum comentário a respeito do vídeo.Opinião muçulmanaEm uma pesquisa recente, 16% dos muçulmanos britânicos disseram acreditar que os terroristas foram motivados por uma causa justa. A pesquisa foi conduzida pelo jornal The Times e ITV News. Ainda segundo a enquete, 13% dos muçulmanos sentem que os terroristas devem ser considerados mártires, e 7% disse que ataques suicidas contra cidadãos britânicos são justificáveis em algumas circunstâncias. Foram consultados 1.131 adultos, entre o dia 1 e 16 de junho. A margem de erro é de 3%, para mais ou para menos.Matéria atualizada às 15h53

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.