Vídeo divulgado na Colômbia acusaria Equador de ligação com as Farc

Nas images, comandante teria afirmado que guerrilha financiou campanha de Rafael Correa.

BBC Brasil, BBC

17 de julho de 2009 | 23h33

Um vídeo retransmitido nesta sexta-feira por diversas emissoras de televisão na Colômbia supostamente mostraria as relações entre os rebeldes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) e o governo do Equador.

Nas imagens – divulgadas pela agência de notícias AP e transmitidas, entre outras, pelos canais de televisão locais RCN e Caracol– Jorge Briceño Suárez, conhecido como "Mono Jojoy", um dos comandantes das Farc, apareceria dizendo a outros rebeldes que a guerrilha teria ajudado a financiar a campanha eleitoral do presidente equatoriano, Rafael Correa.

"Ajuda em dólares para a campanha de Correa e conversas com seus assessores, inclusive alguns acordos, segundo documentos em nosso poder que se mostram comprometedores", afirma o comandante no trecho divulgado da suposta fita, que seria datada de maio de 2008.

'Investigação'

O ministro das Relações Exteriores do Equador, Fander Falconí, anunciou, nesta sexta-feira, a criação de uma comissão para investigar "o suposto vídeo encontrado em um dos três computadores que capturaram durante a incursão militar que a Colômbia realizou em território equatoriano em 1º de março de 2008".

Em nota divulgada no site da Presidência, o ministro da Segurança do Equador, Miguel Carvajal, negou que o governo do Equador tenha qualquer relação com as Farc.

Em entrevista ao jornal equatoriano El Comercio, Carvajal afirmou que "é preciso verificar se o vídeo não é uma montagem".

A divulgação do vídeo pode aumentar as tensões entre os dois países.

Em 2008, Colômbia e Equador romperam as relações diplomáticas depois que tropas colombianas invadiram uma base rebelde dentro do território equatoriano e mataram 25 rebeldes das Farc. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.