Reuters
Reuters

Vídeo gravado com drone mostra destruição de Alepo

Quantidade de prédios destruídos e escombros lembram situação causada pela 2.ª Guerra em Berlim

O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2016 | 07h57

A destruição é tanta que elimina o senso de tempo. Em um olhar inical, o vídeo poderia mostrar Berlim em 1945, mas o lugar é Alepo, na Síria, ou o que sobrou dele depois dos ataques recentes das forças do governo e de seus aliados russos.

Do alto, é possível ver as antenas parabólicas em cima dos prédios destruídos, cobertas por pó, e algumas pessoas caminhando em meio ao entulho pulverizado.

O vídeo do grupo ativista Aleppo Media Center (AMC) foi gravado de um drone, a uma altura superior a das aeronaves que bombardeiam e cometem atrocidades em nome do combate aos rebeldes. As imagens foram feitas para documentar a devastação e o modo como vivem as pessoas que lidam diariamente com os ataques à cidade.

Depois da 2.ª Guerra, sobreviventes do campo de concentração de Auschwitz ajudaram a organizar uma exposição para reunir as memórias do local e juntaram pilhas de sapatos, cabelos, próteses e malas de viagem daqueles que passaram por ali. O objetivo era transmitir a amplitude do número de mortos em um momento em que grande parte do mundo ainda não sabia, ou não queria saber, quantos indivíduos os nazistas haviam matado.

Ao menos 140 pessoas morreram em bombardeios liderados pela Arábia Saudita em um funeral no Iêmen, diversas foram mortas por carros-bomba em Bagdá, milhares foram mortas em Alepo. Uma vez vista, a imagem dessas vítimas se torna impossível de esquecer.

Há hoje cerca de 65 milhões desabrigados pelo mundo, o equivalente à população do Reino Unido ou da França. Os refugiados passam, em média, 17 anos em acampamentos. As crianças saem de suas casas em razão dos tiros e das bombas, e provalmente não conhecem o significado da palavra “lar”.

As imagens no vídeo mostram o que costumava ser um bairro, uma vizinhança. Agora eles são apenas uma junção de pó, entulho e destruição.

Veja o vídeo abaixo:

 

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaVídeoDrone

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.