Vídeo mostra declarações de deputados colombianos seqüestrados

Os doze deputados da assembléia do departamento colombiano do Valle del Cauca, no centro de Cali, seqüestrados em 11 de abril pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) pediram nessa quarta-feira, por meio de um vídeo, um acordo humanitário para conseguir sua libertação. O vídeo, exibido pelo informativo de televisão "CMI", foi uma das primeiras provas de que os doze políticos ainda estão vivos. Na gravação, os políticos pediram ao presidente Álvaro Uribe, que tomou posse em 7 de agosto, que viabilize uma fórmula de "troca humanitária" com os guerrilheiros das Farc presos pelo Governo colombiano. "Que se lembrem de nós", pediu no vídeo o deputado Alberto Quintero, enquanto seu companheiro Edison Pérez sugeriu "a participação internacional. Pedimos que as partes não sejam radicais", disse. Os deputados deram a entender que a gravação foi feita em 16 de agosto. Já o político Jairo Hoyos questionou o Governo e às Farc que "Se as normas são flexíveis, por que os senhores não podem ser também? Não queremos mais mortes e seqüestros". Sigifredo López pediu para "dar prioridade ao tema do acordo humanitário". Nacianceno Orozco falou que "é preciso continuar em busca de mecanismos de solução para o conflito que nos aflige, temos que continuar procurando um acordo humanitário que conduza à libertação de todos os detidos". esta dura prova", acrescentou o deputado Carlos Alberto Charry. Todos os deputados seqüestrados aparecem em boas condições de saúde e enviaram saudações a seus familiares, aos quais pediram que tenham força à espera de uma pronta solução para o cativeiro. Horas antes da exibição do vídeo, o alto comissionado presidencial para a Paz, Luis Carlos Restrepo, declarou aos jornalistas que há possibilidades de apresentar um acordo de troca humanitária.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.