Vídeo pirateado do julgamento de Taylor é investigado

O Tribunal Especial de Haia para a Serra Leoa informou que está investigando imagens pirateadas do julgamento do ex-presidente da Libéria, Charles Taylor. Em comunicado divulgado hoje, o tribunal disse que os vídeos são vendidos em Serra Leoa e na Libéria.

AE-AP, Agência Estado

11 de agosto de 2010 | 16h02

O documento diz que as imagens podem ter sido editadas e, dessa forma, apresentarem uma visão distorcida do julgamento. O juiz especial do tribunal, Jon Kamanda, disse que o uso de imagens do julgamento sem permissão é ilegal.

Ele disse que a embalagem dos vídeos dá a entender que eles foram produzidos pelo tribunal. Taylor é acusado de receber os chamados "diamantes de sangue" em troca de apoio aos rebeldes de Serra Leoa. A modelo Naomi Campbell e a atriz Mia Farrow testemunharam recentemente no tribunal. Taylor diz que é inocente.

Tudo o que sabemos sobre:
julgamentoCharles TaylorLibéria

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.