Vídeo revela detalhes de atentado em Bogotá

Imagens de câmeras de segurança mostram homem disfarçado fixando bomba na porta do carro do ex-ministro colombiano Fernando Londoño

BOGOTÁ, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2012 | 07h49

Peritos da polícia colombiana analisam um vídeo de segurança que mostra um homem colocando a bomba na porta da caminhonete blindada do ex-ministro do Interior Fernando Londoño. A explosão matou 2 pessoas e feriu 54, na terça-feira, em uma movimentada região de Bogotá.

As imagens mostram um homem negro, disfarçado com uma bata branca, um boné e uma peruca, caminhando pela Rua 16 com uma sacola de supermercado. Ele se passa por vendedor ambulante, sobe a Rua 74, onde estava parada a caminhonete de Londoño, dá uma volta completa no veículo, fixa os explosivos na porta traseira do lado esquerdo do carro e foge correndo.

José Ricardo Rodríguez, motorista de Londoño, foi informado pelos seguranças do carro de trás, que também participavam da escolta do ex-ministro, que alguém havia colocado alguma coisa perto do tanque de gasolina. Quando Rodríguez abriu a porta para checar, a bomba explodiu, matando imediatamente ele e o guarda-costas Rósember Burbano.

O ex-ministro colombiano seguia por esse caminho todos os dias na direção de uma academia de ginástica, frequentada por ele sempre após o trabalho na Radio Cadena Súper. A polícia acredita que o cruzamento entre a Rua 74 e a Avenida Caracas tenha sido escolhido para o atentado porque os semáforos demoram para abrir e a prioridade é do Transmilenio, sistema de transporte público formado por ônibus articulados.

Nas primeiras horas após a explosão, a polícia acreditava que a bomba teria sido colocada em um ônibus vazio do Transmilenio. Além de ter destruído completamente os dois veículos - o ônibus e a caminhonete de Londoño -, ela danificou outros oito carros e vários prédios.

O ex-ministro, um dos homens mais próximos do ex-presidente Álvaro Uribe e crítico ferrenho das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), deixou o carro coberto de sangue, mas caminhando. Ferido no ombro esquerdo, com os tímpanos rompidos e um olho afetado, ele recebeu atendimento imediato em uma clínica a poucos quarteirões do local do ataque. Ontem, Londoño afirmou que só se salvou porque, no momento da explosão, estava com a cabeça baixa, digitando uma mensagem de celular para a mulher.

Com base nas imagens de câmeras de segurança e em relatos de testemunhas, a polícia fez três retratos falados e agora tenta cruzar os dados em bancos de imagem para identificar o terrorista. O ministro da Defesa, Juan Carlos Pinzón, disse ontem que não descarta a possibilidade de as Farc estarem envolvidas no atentado. "A essa altura, não descartamos nenhuma hipótese. Nem as Farc nem qualquer outro grupo terrorista", disse Pinzón.

Mais cauteloso, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, afirmou na terça-feira que não havia total certeza de que as Farc eram responsáveis pelo ataque. No entanto, o comandante da Polícia Metropolitana de Bogotá, o general Luis Eduardo Martínez, não teve dúvidas e acusou a guerrilha. "Sem sombra de dúvidas, quem está por trás disso são os terroristas das Farc", disse.

O prefeito de Bogotá, Gustavo Petro, disse ontem que a polícia investiga se os autores do atentado tinham controle sobre o semáforo da Avenida Caracas. Segundo ele, estranhamente ele ficou vermelho exatamente no momento em que a caminhonete de Londoño passaria. "Esse tipo de estratégia é usado em outras partes do mundo", afirmou o prefeito. De acordo com autoridades, o artefato seria uma "bomba lapa", usada no passado pelo grupo separatista basco ETA. O governo colombiano disse ontem que está trocando informações com outros países e, segundo Pinzón, EUA e Grã-Bretanha já estariam colaborando. / AP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.