Vídeo revela episódio de fogo amigo no Iraque

O tablóide inglês The Sun publicou em sua edição desta terça-feira transcrições do que diz ser um vídeo feito na cabine de um avião americano que está no centro de uma investigação sobre um "fogo amigo" no Iraque. O incidente teria resultado na morte de um soldado britânico. Segundo o jornal, um dos pilotos, ciente de que atingiu um comboio de veículos britânicos, diz na gravação "Estamos na cadeia, cara". O cabo Matty "Horse" Hull morreu ao ser alvejado por soldados americanos em Basra em 28 de março de 2003, poucos dias depois da invasão do Iraque por forças estrangeiras lideradas pelos EUA. De acordo com as investigações, dois A-10 americanos teriam atirado duas vezes contra o comboio britânico. "Fogo amigo" é termo utilizado por militares para caracterizar incidentes nos quais forças aliadas tornam-se alvo de ataques não intencionais de seus companheiros.Um promotor que investiga a causa da morte de Hull vinha exigindo que o vídeo fosse divulgado para ser anexado como evidência no processo, mas o comando militar americano havia se recusado a fazê-lo.O Ministério da Defesa da Grã-Bretanha informou que não havia conseguido persuadir os EUA a divulgarem a gravação. Inicialmente, autoridades britânicas chegaram a dizer que o vídeo não existia.Nesta terça-feira, por meio de nota, o Ministério da Defesa britânico assegurou que em nenhum momento tentou enganar a família do cabo. Segundo o ministério, os investigadores tiveram acesso a uma cópia do vídeo, mas como a filmagem era de propriedade dos EUA, não havia autorização para divulgá-la.Na gravação, o piloto pode ser ouvido na cabine tentando determinar quais alvos eram forças aliadas e quais pertenciam à resistência iraquiana.Alguém diz que marcações alaranjadas em alguns veículos poderia significar que se tratava de forças aliadas. A maioria dos veículos terrestres usados por militares aliados no Iraque possui sinalização para evitar incidentes como esse."Malditos lançadores de foguetes"Outra pessoa então é ouvida dizendo que as marcações alaranjadas se parecem com foguetes. "Eu acho que seria maravilhoso destruirmos esses malditos lançadores de foguetes", diz a terceira voz.Pouco depois, dois aviões de combate bombardearam o tanque de Hull, parte de um comboio de cinco veículos militares engajados num combate na periferia de Basra. Mais quatro soldados ficaram feridos, inclusive o líder do comboio, capitão Alexander MacEwen.No momento do bombardeio, moradores da periferia de Basra aproximavam-se dos tanques britânicos exibindo bandeiras brancas em sinal de paz.O The Sun publicou uma transcrição do trecho da gravação no qual os pilotos percebem o erro:Piloto 1: "Estou passando mal."Piloto 2: "Oh, m...."Piloto 1: "Você ouviu isso?"Piloto 2: "Ouvi, que saco."Piloto 1: "Vamos pra cadeia, cara!"A Força Aérea dos Estados Unidos conduziu sua própria investigação do caso em 2003, informou o tenente americano Tony Vincelli. As conclusões nunca vieram a público, mas a investigação não resultou em corte marcial. Vincelli não identificou os pilotos envolvidos.Uma investigação sobre a morte de Hull na Grã-Bretanha foi adiada na semana passada, depois que o juiz disse que não tinha escolha a não ser adiar seu veredicto até que a gravação do incidente fosse fornecida pelo governo, já que ela foi considerada como material confidencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.