Vídeos da Al-Qaeda mostram teste de armas químicas

Uma série de vídeos que a CNN conseguiu no Afeganistão parece mostrar a rede terrorista Al-Qaeda fazendo treinamentos, fabricando bombas e realizando experiências com gás venenoso em cachorros. A morte dos animais é acompanhada pelas câmeras. Os vídeos, que começaram a ser mostrados no domingo, também apresentam integrantes da Al-Qaeda praticando emboscadas e seqüestros. A maior parte dos vídeos teria sido gravada antes de 11 de setembro, apesar de alguns mostrarem a cobertura da televisão dos ataques em Nova York e Washington. A CNN afirma que seu correspondente, Nic Robertson, teve acesso a mais de 250 vídeos através de uma antiga fonte, e que ele teve de fazer uma viagem de 17 horas a partir de Cabul até uma remota parte do Afeganistão para poder vê-los. Robertson retirou mais de 60 vídeos do país. Primeiramente, a CNN afirmou que não havia desembolsado um dólar pelas fitas, mas, mais tarde, a porta-voz Christa Robinson disse que a emissora pagou "uma quantia modesta" pelo material. A rede afirmou ter mostrado os vídeos para vários especialistas a fim de constatar sua autenticidade. Uma porta-voz da CNN, Christa Robinson, negou-se a dar detalhes de como as fitas foram obtidas. Segundo ela, a rede não acredita que esteja sendo usada pela organização de Osama bin Laden para espalhar propaganda. "Obviamente, estamos sempre atentos para não transmitir propaganda", disse Robinson. "Certamente, este material tem valor jornalístico". Gordon Johndroe, porta-voz do Escritório de Segurança Interna da Casa Branca, afirmou que as fitas "corroboram nossa informação anterior de que (líderes da Al-Qaeda) usariam armas químicas, caso conseguissem obtê-las". Ele disse que ainda não existe informação segura de que o grupo tenha adquirido armas de destruição em massa. A CNN planeja mostrar o conteúdo das fitas em diversos programas nesta semana. No domingo, a CNN apresentou repetidamente imagens de um cachorro branco preso numa caixa de vidro. Nos vídeos mostrados hoje, aparentemente uma versão reduzida do que a CNN tem em mãos, um homem deixa cair um líquido num quarto onde está preso um cachorro. Um vapor começa a surgir. O cachorro começa a se lamber, com especialistas dizendo à CNN que o aumento da salivação é o primeiro sinal de envenenamento. O cão parece perder o controle de sua parte traseira, e é visto depois deitado de costas, gemendo. Ao todo, as fitas mostram a morte de três cachorros, segundo a CNN. O ?New York Times?, que teve acesso a partes das fitas na semana passada, publicou entrevista com especialistas que viram o material dizendo que agências de inteligência ocidentais podem estar subestimando a Al-Qaeda. Somados ao manuais escritos da Al-Qaeda, "os vídeos mostram um planejamento, preparação e atenção meticulosos com a marca registrada do terror", disse Marcus Ranstorp, diretor do Centro de Estudos de Terrorismo e Violência Política da Universidade St. Andrews, Escócia. Era conhecida desde antes dos ataques de 11 de setembro a capacidade dos terroristas de espalharem venenos, quando um colaborador do grupo, Ahmed Ressam, testemunhou sobre experimentos no julgamento de um homem acusado de conspirar com ele para bombardear o aeroporto de Los Angeles. A CNN mostrou imagens de terroristas mascarados interceptando um veículo numa estrada poeirenta, num aparente treinamento de seqüestro. Nas fitas também existem imagens de Bin Laden, cercado de guarda-costas. Bin Laden também aparece sendo entrevistado por jornalistas, informou Robertson, indicando que os vídeos faziam parte de uma videoteca privada da Al-Qaeda. Havia indicações anteriores em materiais da Al-Qaeda de que o grupo estava interessado em armas químicas. No ano passado, a AP obteve um "Manual da Jihad Afegã", de 11 volumes, preparado para combatentes da Al-Qaeda. No manual existem instruções sobre plantas que podem ser utilizadas para a fabricação de gás venenoso, como produzir o gás, e qual é a quantidade necessária para matar um homem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.