Vídeos mostram repressão violenta a manifestação em NY

Vídeos amadores mostram que meios violentos foram utilizados pela polícia de Nova York, no sábado, para enfrentar manifestantes que tentavam chegar até o local do ato contra a guerra no Iraque. A polícia se valeu de sprays de pimenta e de cargas de cavalaria contra a multidão.O comissário de polícia de Nova York, Raymond Kelly, anunciou no sábado que apenas pouco mais de duas centenas de pessoas haviam sido detidas, todas elas por transgressões menores. Em seguida, a polícia indicou que 36 dos detidos seriam processados por agressões graves. A cerca de 500 metros da manifestação central, da qual participaram o arcebispo sul-africano Desmond Tutu, os artistas e cantores Peter Seeger, Harry Belafonte, Danny Glover e Susan Sarandon, além de diversos líderes políticos e dos direitos humanos, a polícia obstruiu o acesso dos ativistas com blocos metálicos.Os blocos ofuscavam a vista, afastando muitos dos manifestantes, e a polícia dispersou os remanescentes com arremetidas da cavalaria e sprays irritantes.O vídeo foi filmado por participantes do ato e divulgados na terça-feira pelos organizadores dos protestos. "Isto te fará sentir melhor, não é verdade?", gritou um policial que atirava spray, enquanto os manifestantes eram espremidos entre a multidão e as barricadas metálicas, gritando "Não posso respirar!", "Meus olhos!". O vídeo de cinco minutos foi exibido nos escritórios da "Unidos pela Paz", um dos grupos organizadores da marcha, que reuniu mais de 100.000 manifestantes na Primeira Avenida, perto das Nações Unidas. Para os organizadores, foi a última batalha travada contra a Polícia de Nova York (NYPD), que proibiu a marcha diante da ONU e limitou o protesto a um palco na interseção da Primeira Avenida com a rua 52, bem distante da sede da ONU. O porta-voz da NYPD, Michael O´Looney, repetiu as palavras de Kelly no final da manifestação de sábado: "Foi um êxito, dado o número de participantes, e a polícia só utilizou a força como último recurso". O vídeo mostrado à imprensa continha várias cenas que pareceram ter sido editadas. O´Looney disse em um comunicado que os videoteipes dos ativistas "foram editados e estavam cheios de efeitos especiais". Mas a guerra de palavras e interpretações entre ativistas e policiais também se estendeu a vários aspectos da marcha: a NYPD disse que os manifestantes foram quase 100.000, enquanto os organizadores falaram em pelo menos 500.000; a polícia disse que os detidos foram 270, quase todos por delitos menores, e os organizadores falam em 348. O prefeito Michael Bloomberg se colocou firmemente ao lado da NYPD: "Nem todo mundo esteve de acordo sobre a forma pela qual a polícia controlou a multidão. Uma vez que este é um mundo perigoso, creio que a polícia fez um trabalho excelente".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.