REUTERS/Carlos Barria
REUTERS/Carlos Barria

Vídeos nas redes sociais mostram impacto do Irma na Flórida

População demonstra apreensão com a chegada do furacão nos Estados Unidos; autoridades também se pronunciam

O Estado de S.Paulo

10 Setembro 2017 | 11h19
Atualizado 10 Setembro 2017 | 12h22

População registra a chegada do furacão Irma às ilhas Keys na Flórida, nos Estados Unidos, na manhã deste domingo, 10.

Nos vídeos publicados no Twitter é possível observar o impacto dos ventos de 215 km/h. Árvores arrancadas, ruas totalmente alagadas e algumas pessoas que se arriscam a fazer fotos e vídeos da catástrofe.

A força dos ventos e as copiosas chuvas geradas pelo furacão Irma começaram a fazer estragos, neste domingo, em Miami. Em Key West, os ventos chegam a 113 km/h. Em Miami, as rajadas de vento atingiram 160 km/h.

No Instagran, também há publicações:

 

Miami Beach #Irma ya se siente

Uma publicação compartilhada por Yusnaby Pérez (@yusnaby) em

Vídeo registrado no Twitter da região de Naples:

O furacão Irma se dirigirá previsivelmente para o noroeste da Flórida, onde pode causar impacto esta tarde nas proximidades da cidade turística de Naples, cerca de 200 quilômetros ao oeste de Miami.

Autoridades nas redes sociais

O prefeito do condado de Miami, Carlos Gimenez, afirmou que a evacuação "não tem precedentes", e que mais de 650 mil pessoas abandonaram a cidade nos últimos dias. 

Gimenez também reforça que o monitoramento continua em razão do furacão Irma.

O governador da Flórida, Rick Scott, também alertou nas redes sociais a população sobre os perigos do fenômeno natural.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, publicou informações sobre reunião que aconteceu para discutir impactos do furacão Irma.

O Serviço Nacional de Meteorologia dos Estados Unidos publicou alerta no Twitter para risco também de tornados.

Ajuda internacional. A União Europeia (UE) ofereceu ajuda aos afetados pelo furacão Irma, que tocou terra, neste domingo, no extremo sul dos Estados Unidos, com ventos que rondam 215 quilômetros por hora, após deixar pelo menos 25 mortos e consideráveis danos materiais em sua passagem pelo Caribe. 

"A União Europeia está disposta a ajudar como fez com o furacão Harvey", que impactou principalmente na costa do Texas, afirmou em sua conta no Twitter o comissário europeu de Ajuda Humanitária, Christos Stylianides.

Os meteorologistas do Centro Nacional de Furacões (NHC) dos Estados preveem um progressivo enfraquecimento do ciclone, atualmente de categoria 4, enquanto se dirige para o norte, sem deixar de ser um "poderoso furacão".

Abandono de animais. Diante da tragédia, alguns animais foram levados pelos próprios donos para abrigos. Muitos proprietários alegam que não poderiam levá-los para um local seguro. No entanto, associação do Condato de Palm Beach relata que, pelo menos, 50 cães foram abandonados cruelmente nas ruas e alguns até presos à arvores na região da Flórida. /Instagran e Twitter

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.