Vieira de Mello é velado na prefeitura do Rio

O corpo de Vieira de Mello chegou ao Rio por volta das 8h30, e desembarcou na base aérea do Galeão no Boeing presidencial da ForçaAérea Brasileira (FAB), que transportou também a família do brasileiro que mora na Europa. Ainda na base aérea o caixão foi coberto com umabandeira do Brasil e dez cadetes fizeram uma cerimônia de homenagem ao brasileiro. O corpo seguiu em cortejo pela cidade até chegar às 8h49 ao Palácio da Cidade, sede da Prefeitura do Rio. Na chegada, um grupo de pessoas aplaudiu na hora que o carro com o corpo passou na entrada dopalácio, na zona sul da cidade. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva também veio ao Rio para prestar homenagem a Vieira de Mello. Ele chegou ao Rio às 11h10. Estava acompanhado dos ministros Antonio Palocci (Fazenda), Miro Teixeira(Comunicações) e Celso Amorim (Relações Exteriores), do secretário de Direitos Humanos, Nilmário Miranda, do prefeito César Maia e dodeputado Paulo Delgado (PT-MG). Na chegada ao Palácio, Lula disse que Vieira de Mello é um herói nacional. "Penso que dona Gilda (mãe do altocomissário) perdeu um filho extraordinário, a ONU perdeu o mais extraordinário diplomata e o Brasil perde um símbolo de homem que usou inteligência e alegria na busca por um mundo melhor, na busca pela paz", afirmou o presidente ao lado do caixão.Lula se referiu a Vieira de Mello como "um herói nacional, ou melhor, um herói do mundo".O presidente disse que estreitou relações comVieira de Mello depois da posse na presidência, quando foi visitado pelo alto comissário. "Me alegrava o entusiasmo com que ele falava dosgraves problemas do mundo, porque ele tinha convicção de que seriam resolvidos. Pessoas como ele não nascem para fazer a mesmice que todomundo faz, mas para tornar as coisas possíveis", comentou Lula, que chegou ao local às 11h30.Na sede da prefeitura, o caixão de Vieira de Mello foi colocado no salão verde do primeiro andar. Lá, ele foi coberto com as bandeiras doBrasil e da ONU e com uma coroa de rosas. Guardas da Academia da Polícia Militar cercavam o caixão. A mãe de Vieira de Mello, dona Gilda, de 85 anos, ficou sentada ao lado do corpo do filho toda amanhã. Além dela, também participaram do velório a ex-mulher, Annie, e os dois filhos, Laurent e Adrian. A pedido da família, a imprensa nãoteve permissão de circular pelo salão verde e realizar entrevistas.Apenas o presidente e o secretário-geral conversaram com os jornalistas. Pela manhã, a assessoria de imprensa de Kofi Annan divulgou o texto preparado para a cerimônia. Na nota, Annan afirmou: "Não podemos aceitar que Sérgio morra nesse momento, dessa forma, e que nada de bom possa surgir disso. Não podemos aceitar que todo o seu brilhantismo, sua energia, sua devoção ao staff e sua lealdade às idéias da ONU tenham sido tão abruptamente tiradas de nós". E continuou: "Mas quando nós contemplamos seu sacrifício, e dos companheiros que morreram com ele, e quando lembramos que eles deram suas vidas pelos princípios, pela paz e reconciliação, então nós podemos levantar nossas cabeças e ficar orgulhosos de trabalhar pela mesma organização".O corpo de Vieira de Mello será levado de volta à Europa para ser sepultado na França.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.