Vieira de Mello ficará na memória como defensor da paz, diz Amorim

O Ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, afirmou que a morte do representante da ONU no Iraque, Sérgio Vieira de Mello, em um atentado terrorista hoje na capital iraquiana, é uma perda que não se repõe, mas que ficará "na memória das batalhas pela paz, pelos direitos humanos e dos refugiados". O chanceler disse que o funcionário da ONU honrou o Brasil e a diplomacia brasileira, mesmo sem ter a carreira no Itamaraty.Amorim lembrou que conhecia Vieira de Mello quando ambos trabalhavam na ONU. Amorim era então o embaixador do Brasil e Vieira de Mello o secretário para Assuntos Humanitários. Vieira de Mello foi o responsável pela homenagem a Amorim quando o chanceler deixou a chefia da missão do Brasil na organização. Ambos se encontraram em junho passado, em Amã, na Jordânia, durante reunião na qual se discutia a paz no Oriente Médio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.