Vietnã deixará de utilizar fuzilamento e adotará injeção letal em execuções

Para Assembleia Nacional vietnamita, nova forma de execução é um instrumento 'mais humano'

Efe,

18 de junho de 2010 | 04h50

HANÓI - O Vietnã deixará de executar seus condenados à morte com um pelotão de fuzilamento e passará a adotar a injeção letal, em medida aprovada pela Assembleia Nacional, o principal órgão legislativo do país comunista.

Os deputados deram na quinta-feira o sinal verde ao novo método, que entrará em vigor em 2011, informou nesta sexta a agência oficial VietnamNet.

Segundo o documento aprovado pela Assembleia Nacional vietnamita, a injeção letal é melhor, pois se trata de um instrumento "mais humano", já que o executado quase não sofre, graças à anestesia.

O relatório também assinala que se trata de um método mais barato, que causa menos traumas psicológicos aos carrascos e permite às famílias que tenham acesso aos corpos intactos.

Alguns legisladores se opuseram à mudança, argumentando que a crueldade do fuzilamento é positiva por que intimida muitos dos criminosos, sobretudo em um momento de alto índice de violência.

O Vietnã reduziu no ano passado os delitos puníveis com a pena capital, mas segue executando a cada ano cerca de 100 pessoas, a maioria por tráfico de drogas.

No Sudeste Asiático, a pena de morte é aplicada oficialmente em Brunei, Indonésia, Laos, Malásia, Tailândia e Cingapura, extra-oficialmente em Mianmar (antiga Birmâia) e só foi formalmente abolida no Camboja e nas Filipinas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.