Thanh Hue/Reuters
Thanh Hue/Reuters

Vietnã descobre mutação 'híbrida' do coronavírus que mistura variantes da Índia e do Reino Unido

Nova variante é mais contagiosa e pode explicar explosão no número de casos no país

Redação, O Estado de S. Paulo

29 de maio de 2021 | 04h11

 

O Ministro da Saúde do Vietnã, Nguyen Thanh Long, afirmou neste sábado (29) que o país detectou uma nova variante do coronavírus, uma mistura das variantes da Índia e do Reino Unido que se espalha rapidamente por via aérea.

Apesar de controlar a pandemia com sucesso nos últimos meses, com 6.386 casos e 47 mortes até o momento, o Vietnã agora está lutando contra um novo surto que se espalha mais rapidamente. Quase 3.600 pessoas foram infectadas em 31 das 63 províncias do país desde o final de abril, respondendo por mais da metade das infecções totais do país desde o início da pandemia.

"Após executar o sequenciamento de genes em pacientes recém-detectados, descobrimos uma nova variante que é uma mistura das variantes de Índia e do Reino Unido", disse Nguyen Thanh Long. "Mais especificamente, é uma variante indiana com mutações que pertencem à variante do Reino Unido", acrescentou. Ele ainda afirma que o Vietnã iria anunciar a descoberta da nova variante para o mundo em breve.

O Vietnã havia registrado anteriormente sete variantes do vírus: B.1.222, B.1.619, D614G, B.1.1.7 (a variante do Reino Unido), B.1.351, A.23.1 e B.1.617.2 (a variante indiana).

De acordo com o ministro, estudos apontam que a nova variante é muito mais transmissível do que os tipos anteriormente conhecidos, o que explica a explosão de casos nesse curto período./Reuters

Para Entender

As origens do coronavírus: o que se sabe sobre o laboratório de Wuhan, na China, e a transmissão animal?

Cientistas revisitam principais teorias para tentar determinar se vírus saltou de animais para humanos ou escapou acidentalmente de um laboratório

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.