Vincent Thian/ AP
Vincent Thian/ AP

Vietnamita acusada de matar irmão de Kim Jong-un é condenada a mais de 3 anos de prisão

Sentença foi uma pena alternativa oferecida caso a mulher se declarasse culpada por causar danos a Kim Jong-Nam

Reuters e EFE, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 03h23

A vietnamita Doan Thi Huong, acusada de matar o meio irmão do líder norte-coreano Kim Jong-un, foi condenada a 3 anos e 4 meses de prisão pela Justiça da Malásia. A sentença foi uma pena alternativa oferecida caso a mulher de 30 anos se declarasse culpada por causar danos a Kim Jong-Nam

Com isso, Huong se livrou da pena de morte, pois os promotores retiraram a acusação de homicídio contra ela. Huong já esteve presa por dois anos e pode ser solta em 4 de maio, já que a Malásia permite a remissão de um terço de todas as sentenças. 

Kim Jong-nam morreu 20 minutos depois de ser atingido no rosto pelo produto químico VX quando estava no Aeroporto Internacional de Kuala Lumpur. Ele vivia em exílio em Macau desde que deixou o país natal em 2011, quando seu irmão se tornou líder. 

As imagens das câmeras de segurança do aeroporto mostram o momento em que as duas mulheres se aproximaram de Kim antes de jogarem o líquido em seu rosto - Huong e Siti Aisyah, de origem indonésia. Ambas foram detidas pouco depois do assassinato.

Na abertura do julgamento, as duas se declararam inocentes. Ao longo da investigação, elas negaram que desejavam cometer um assassinato e afirmaram que foram enganadas, pois acreditavam estar participando de um programa de televisão do tipo "pegadinha".

Autoridades americanas e sul-coreanas afirmam que o regime norte-coreano foi o responsável por encomendar a morte de Kim Jong-Nam, que era crítico das regras da dinastia familiar. Pyongyang negou as acusações. 

A Malásia foi alvo de críticas pela condenação à pena de morte das duas mulheres, enquanto os quatro perpretadores do ataque seguem livres. Eles, que são norte-coreanos, também foram sentenciados, mas deixaram a Malásia horas após o assassinato.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.