Vigário se desculpa por dizer que Papai Noel está morto

O vigário Lee Rayfield pensou que estivesse apenas brincando quando disse a crianças, durante um serviço religioso, que Papai Noel não existe e que suas renas poderiam morrer queimadas, caso viajassem na velocidade necessária para entregar todos os presentes a tempo. Mas, depois de lágrimas e reclamações por parte de muitos que estavam presentes na igreja St. Mary, em Maidenhead, oeste de Londres, na segunda-feira à noite, Rayfield reconheceu que sua piada foi dura demais. "Fiz um julgamento errado da idade das crianças. Não notei como elas eram jovens, e agora estou aqui sentado tentando entender como não consegui avaliar isso naquele momento", disse Rayfield, que na verdade é vigário da igreja de St. Peter, próxima à paróquia de St. Mary. O religioso afirmou que sua história, que fala a respeito da impossibilidade científica de as renas circularem o mundo na véspera de Natal, foi contada tendo em mente as crianças mais velhas, que já sabem que Papai Noel não existe. Agora, o vigário está escrevendo cartas de desculpas aos pais das crianças que estavam presentes no serviço religioso. Segundo Sue Smee, que participou da celebração com seus filhos de cinco e nove anos, havia muitas crianças presentes que ainda acreditam em Papai Noel, ou o faziam até a noite passada. Rayfield baseou seus comentários em uma piada que circulou na Internet no início deste ano sobre como a ciência vem sendo usada para desmentir o mito de Papai Noel. Segundo a anedota, para satisfazer a todas as crianças do mundo, Papai Noel deveria entregar 378 milhões de presentes em 91,8 milhões de casas em apenas 31 horas. Para conseguir realizar este trabalho, Papai Noel e suas renas deveriam viajar 3 mil vezes mais rápido que a velocidade do som. Dessa forma, eles seriam queimados vivos pelo atrito com o ar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.