Vigilância da NSA enfrenta teste em tribunais

A coleção de registros telefônicos da Agência de Segurança Nacional norte-americana (NSA, na sigla em inglês) enfrenta um teste na próxima semana quando um tribunal ouvirá argumentos sobre o programa de vigilância.

Estadão Conteúdo

01 Novembro 2014 | 21h09

Os argumentos a serem apresentados na terça-feira serão apenas um dos três desafios federais de apelação em tribunais sobre o programa da NSA que reúne milhões de registros telefônicos de norte-americanos, um assunto que pode eventualmente chegar à Suprema Corte. Os casos, que incluem dois processos independentes em Nova Iorque e em São Francisco, foram iniciados pelas revelações do ex-contratado da NSA Edward Snowden ano passado detalhando o funcionamento do programa de vigilância.

As declarações de Snowden desencadearam batalhas legais, políticas e estratégicas sobre em qual amplitude o governo pode espionar seus próprios cidadãos e pessoas em outros países. O caso de terça-feira vem de um processo iniciado ano passado pelo ativista legal Larry Klayman pedindo para que seja encerrada a vigilância.

Em 2013, o juiz distrital Richard Leon considerou "praticamente certo" que o programa do governo violou a constituição. A administração do presidente Barack Obama apelou sob a argumentação de que coletar registros telefônicos não é uma violação da proibição constitucional a buscas sem justificativa.

Autoridades dizem que a NSA somente analisa o banco de dados de registros telefônicos coletados quando há a identificação de um número de telefone de um suspeito de terrorismo. Patrick Toomey, um advogado da União Americana pelas Liberdades Civis, que está processando o programa de espionagem, disse que assessores da presidência já teriam concluído que é possível rastrear ligações de suspeitos de terrorismo mesmo sem coletar dados de milhões de americanos. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
EUANSAespionagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.