Vigília marca 100º dia de captura do repórter da BBC

Jornalista foi raptado em 12 de março pelo Exército do Islã na Faixa de Gaza

Agencia Estado

21 de junho de 2007 | 13h07

Milhares de pessoas participaram nesta quarta-feira, 20, de uma vigília mundial para marcar o centésimo dia de captura do correspondente da BBC na Faixa de Gaza, Alan Johnston. Familiares do repórter soltaram cem balões na cidade onde moram, na Escócia, e jornalistas da BBC baseados em vários países fizeram uma pausa de um minuto às 14h15 (horário de Londres, 10h15 no horário de Brasília) para lembrar o repórter, seqüestrado no dia 12 de março quando voltava para casa, na Faixa de Gaza. Além dos balões, fotos de Johnston foram exibidas durante a vigília, em Londres e em outras cidades. O jornalista foi seqüestrado por um grupo de militantes que se autodenomina O Exército do Islã. Desde o início de sua captura, os colegas têm realizado vigílias semanais para pedir sua libertação.Hamas Na sexta-feira passada, o grupo palestino Hamas lançou um ultimato aos seqüestradores do correspondente da BBC, em que exigia que o jornalista fosse solto até a última segunda-feira, o que não aconteceu.Em um vídeo divulgado no domingo, os seqüestradores de Johnston negaram ter chegado a um acordo com o Hamas para a libertação do repórter da BBC, mas reconheceram que houve "avanços" nas reuniões com o Hamas."Há avanços, e nós vamos informar vocês quando houver novos avanços", disse um porta-voz mascarado no vídeo. Johnston é o único jornalista ocidental com base permanente em Gaza. Seu seqüestro tem provocado apelos pela sua libertação de grupos de direitos humanos em todo o mundo.Vários estrangeiros foram seqüestrados nos últimos anos em Gaza, mas todos foram soltos sem passar por nenhum tipo de agressão, e nenhum ficou tanto tempo capturado como Johnston.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.