Villepin nega ter ambições presidenciais

O primeiro-ministro da França, Dominique de Villepin, insistiu nesta segunda-feira que não tem a ambição de se tornar presidente. Ainda assim, mesmo depois de ser forçado a abandonar sua polêmica proposta de lei trabalhista, o Contrato Primeiro Emprego (CPE), Villepin deu sinais de que não afundará nas trevas em razão dos protestos e greves que enfrentou nas últimas semanas. Calmo e focado apesar da derrota, Villepin negou, em rede nacional, que tenha perdido o apoio do presidente Jacques Chirac e da maioria conservadora no parlamento. "Eu sempre disse que não tenho ambições presidenciais", disse. Villepin, que durante muito tempo foi visto como o candidato preferido de Chirac para as eleições do ano que vem, disse que sua prioridade é servir a nação, e não lutar pela presidência. Mas pesquisas indicam que os protestos contra o CPE minaram profundamente as taxas de aprovação do premier, tornando suas chances para o pleito de 2007 praticamente inviáveis. O eloqüente e determinado primeiro-ministro não admitiu a derrota desta segunda-feira, mas disse ter passado por "uma provação, um desafio muito difícil". "A primeira lição (que se tira) de uma crise é mudar a si mesmo", continuou. Embora rumores de que o primeiro-ministro renunciaria tenham se espalhado ao longo das últimas semanas, Villepin acrescentou que continuará "a lutar, a produzir respostas e a tirar lições para sair (da crise) com mais experiência".

Agencia Estado,

10 Abril 2006 | 16h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.