Vingança contra os mercenários

Em duas celas apertadas de um tribunal de Benghazi, cerca de 20 supostos mercenários que teriam lutado pelo regime de Muamar Kadafi acotovelam-se. Com semblante de pavor, aguardam o julgamento que será conduzido por um comitê de opositores.

, O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2011 | 00h00

"Se as pessoas soubessem que eles estavam aqui, teriam derrubado as portas de aço para matá-los", diz Atif el-Hasiya, porta-voz do grupo que conduzirá o julgamento.

Os presos, todos vindos da África Subsaariana, não eram mercenários. Pelo menos foi o que concluiu Peter Bouckaert, da ONG Human Rights Watch, que se encontrou com os encarcerados. "São trabalhadores africanos normais que acabaram pegos no meio desse caos", explicou.

A confusão expõe as dificuldades que cercam a nova Justiça, imposta pela oposição. A população local criou um ódio especial contra mercenários africanos que Kadafi usou, soldados brutais que simbolizavam a capacidade do regime de comprar apoio para se manter no poder.

"O uso de combatentes estrangeiros foi a última tentativa de Kadafi para se manter no poder", afirma o funcionário da ONG. Mas existem na Líbia milhares de empregados "normais" vindos do centro da África, completa. / AP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.