Vinte partidos contestam eleição em Moçambique

Vinte partidos de oposição uniram-se para exigir uma nova rodada de eleições parlamentares e presidenciais em Moçambique, alegando fraude generalizada. Os partidos, liderados pelo principal grupo de oposição, Renamo, acusam o partido no governo, Frelimo, e as autoridades eleitorais de desonestidade no pleito de 1º e 2 de dezembro."Nossos irmãos da Frelimo deveriam saber que o que cometeram não foi apenas fraude, mas um crime sério, e isso significa que a democracia está em perigo", disse o ex-líder rebelde Afonso Dhlakama. Líderes dos 20 partidos se reuniram na capital, Maputo, para preparar um memorando com suas queixas quanto ao processo eleitoral.Observadores internacionais consideraram a votação livre e justa, a despeito do pouco comparecimento - de 30% a 40%. O candidato da situação à sucessão do presidente Joaquim Chissano, Armando Guebuza, recusa-se a responder às acusações até que as apurações terminem oficialmente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.