Athit Perawongmetha/Reuters
Athit Perawongmetha/Reuters

Violência coloca Hong Kong 'à beira do colapso total', diz Polícia

Corporação disparou gás lacrimogêneo no centro do distrito comercial da cidade e em duas universidades para interromper os manifestantes pró-democracia

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2019 | 18h58

HONG KONG - A Polícia de Hong Kong alertou nesta terça-feira, 12, que o território está à beira do colapso total" após o segundo dia de violência durante os protestos que já duram cinco meses. 

A corporação disparou gás lacrimogêneo no centro do distrito comercial da cidade e em duas universidades para interromper as manifestações pró-democracia.

Os confrontos ocorreram um dia depois de a polícia balear um manifestante à queima-roupa e um homem ser coberto de gasolina e incendiado, em alguns dos piores episódios de violência na ex-colônia britânica em décadas.

Uma manifestação relâmpago de mais de 1 mil manifestantes, muitos usando trajes de escritório e máscaras, se reuniu no distrito comercial pelo segundo dia seguido durante a hora do almoço, interditando ruas abaixo de alguns dos maiores arranha-céus da cidade e de algumas de suas propriedades mais caras.

Para Entender

Cinco meses de protestos em Hong Kong: do polêmico projeto de lei ao apoio internacional

Manifestações mergulharam o território semiautônomo em sua pior crise política desde que foi devolvido pelo Reino Unido à China

Depois que eles se dispersaram, a polícia disparou gás lacrimogêneo contra os manifestantes remanescentes na antiga e estreita Rua Pedder. A polícia prendeu mais de uma dúzia de pessoas, muitas delas prensadas na calçada contra a parede da joalheria de luxo Tiffany & Co.

Mais tarde, a polícia isolou a Rua Pedder, que estava calma quando funcionários de escritório começaram a ir para casa. “Nossa sociedade foi levada à beira do colapso total”, disse um porta-voz da Polícia em um comunicado, referindo-se aos dois últimos dias de violência.

O porta-voz disse que “arruaceiros” mascarados cometeram atos “insanos”, como atirar lixo, bicicletas e outros destroços em trilhos do metrô e em linhas de energia suspensas, paralisando o sistema de transportes.

Ele disse que o estado do homem incendiado na segunda-feira ainda é grave e apelou por mais informações sobre os responsáveis.

Ainda na segunda-feira, a polícia lançou vários cilindros de gás lacrimogêneo em Central, onde alguns manifestantes bloquearam ruas ladeadas de bancos e joalherias. A maioria não abriu as portas nesta terça-feira.

A polícia também usou gás lacrimogêneo na Universidade da Cidade em Kowloon Tong, abaixo de Lion Rock, e na Universidade Chinesa, do outro lado da montanha, onde manifestantes lançaram coquetéis molotov e tijolos contra a polícia.

Na Universidade da Cidade, manifestantes armazenaram coquetéis molotov e tijolos nas pontes e outros pontos de acesso e estavam fabricando pequenos artefatos com pregos, aparentemente para furar pneus.

Tijolos, outros destroços e pequenas fogueiras se espalhavam pelas ruas dentro e fora da entrada do campus da Universidade Chinesa enquanto a polícia continha alguns manifestantes no solo. /REUTERS 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Hong Kong

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.