Violência deixa 40 mortos na Síria, diz ativista

Ativistas afirmam que mais de 1.100 civis já morreram e pelo menos 10 mil foram presas

Agência Estado

06 de junho de 2011 | 10h24

NICÓSIA - A violência pela Síria deixou pelo menos 40 mortos neste domingo, 5, incluindo 35 no noroeste do país, afirmou Rami Abdel Rahman, chefe do Observatório Sírio para os Direitos Humanos, grupo sediado em Londres, em entrevista hoje à France Presse.

 

Veja também:

especial A revolução que abalou o Oriente Médio

 

Vinte e sete civis e oito agentes de segurança foram mortos em Jisrash Shugur, quando militares e forças de segurança continuaram a realizar operações na província de Idlib, no noroeste sírio. Mais ao norte, na cidade de Idlib, as forças de segurança dispersaram cerca de 1.500 manifestantes.

Dois civis morreram na cidade costeira mediterrânea de Jabla, quando agentes oficiais dispararam contra um protesto, segundo Rahman. Em Deir Ezzor, leste do país, forças de segurança dispararam em um grupo que estava em frente à sede do governista Partido Baath, matando três pessoas.

Entidades pelos direitos humanos afirmam que mais de 1.100 civis morreram e pelo menos 10 mil pessoas foram presas na Síria, desde o início dos protestos contra o governo em meados de março. Damasco afirma que os distúrbios são obra de "gangues terroristas armadas" apoiadas por islamitas e agitadores estrangeiros. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Síriaviolênciamortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.