Violência deixa 50 mortos em dois dias

Confrontos étnicos mataram pelo menos 50 pessoas em 24 horas no oeste do Quênia, informou ontem a agência France Press. Ontem, o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan, que vem atuando como mediador da crise no país, sobrevoou de helicóptero a área dos conflitos e denunciou a "violação sistemática e grave dos direitos humanos". A onda de violência - que já deixou mais de 700 mortos - começou após a reeleição do presidente Mwai Kibaki, há um mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.