Violência deixa mais de 30 mortos no Iraque em 24 horas

Atos de violência no Iraque, incluindo bombardeios e um ataque a peregrinos xiitas, mataram mais de 30 pessoas em 24 horas, disseram autoridades locais neste domingo. O derramamento de sangue acontece no momento em que o país ainda conta os votos da eleição geral de 30 de abril, a primeira desde que as tropas americanas se retiraram no final de 2011. O Iraque vive uma onda de tensão, com temores de um retorno aos massacres sectários de 2006 e 2007.

Agência Estado

04 Maio 2014 | 09h57

Enquanto as autoridades se apressam em culpar fatores externos, como a guerra civil na vizinha Síria, analistas e diplomatas apontam uma revolta generalizada entre a minoria árabe sunita como uma das principais causas para a violência exacerbada.

Em Faluja, a oeste de Bagdá, um ataque matou 11 pessoas e feriu outras quatro, disse o médico Ahmed Shami. Não ficou imediatamente claro quem estava por trás do bombardeio, que começou na noite de sábado e continuou no domingo.

Uma demonstração do poder dos militantes antigoverno e da fraqueza das forças de segurança é que todos em Fallujah e em partes da capital da província de Anbar, Ramadi, vivem sem controle do governo desde o início de janeiro.

A crise na província de Anbar, que partilha uma longa fronteira com a Síria, agravou-se no fim de dezembro, quando forças de segurança desmantelaram o principal acampamento sunita antigoverno do Iraque, próximo a Ramadi. Pouco depois, militantes tomaram partes de Ramadi e Faluja. Foi a primeira vez que forças antigoverno tomaram o controle de cidades importantes como essas desde o pico da violência em 2003, após a invasão norte-americana.

Ao norte de Bagdá, um bombardeio e um tiroteio atingiram um ônibus que transportava peregrinos xiitas na noite de sábado, matando 11 pessoas e ferindo outras 21. Os peregrinos estavam voltando de Samarra , quando uma bomba explodiu na periferia da cidade de Balad e homens armados abriram fogo contra o ônibus.

Também na noite de sábado, a polícia encontrou os corpos de pessoas de oito famílias. Elas foram mortas a tiros dentro de casa, em uma área predominantemente sunita ao sudeste de Bagdá. E, no domingo , um tiroteio também na capital do país e uma bomba mataram duas pessoas em um veículo e um atentado suicida na cidade de Mosul deixou um soldado morto, disseram autoridades. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
Iraque violência eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.