Violência deixa pelo menos 25 mortos no Iraque

Pelo menos 25 pessoas morreram num acirramento da violência no Iraque neste sábado. A explosão de um carro-bomba contra um posto policial iraquiano, o mais grave ataque do dia, deixou pelo menos 12 mortos. O atacante suicida explodiu o veículo às 8h45 locais na cidade setentrional de Tal Afar, a cerca de 420 km ao Noroeste de Bagdá, disse o coronel Abdel Karim al-Yuburi, da polícia de Mosul.Catorze pessoas, entre elas quatro soldados e dez civis, morreram no atentado, informou o brigadeiro Sabah al-Maamari. Outros quatro soldados e nove civis ficaram feridos no atentado. Em Mosul, um grupo armado matou uma mulher que caminhava com seu filho de 5 anos, disse al-Yuburi. O menino saiu ileso. Os militares norte-americanos haviam previsto um aumento da violência durante as celebrações muçulmanas do Ramadã há duas semanas, algo que, segundo o porta-voz do Exército norte-americano, general William B. Caldwell, está ocorrendo. "Infelizmente, como era esperado, os ataques vêm crescendo constantemente durante estas últimas semanas", disse. Perto de Singar, 150 km ao Noroeste de Mosul, duas pessoas morreram e uma terceira ficou ferida quando um grupo de homens armados atacou o veículo em que viajavam, disse o prefeito de Singar, Dajel Qassim. Outros dois civis morreram e quatro ficaram feridos quando um morteiro atingiu uma residência em Iskandariya, a 50 km ao Sul de Bagdá, antes do amanhecer, disse o capitão da polícia Mutana Jalid.Em Bagdá, onde a violência entre xiitas e sunitas se intensificou, dois corpos baleados foram retirados do rio Tigre, disse o tenente Bilal Alí Mayid. Os dois corpos tinham as mãos e pernas amarradas e apresentavam marcas de tortura. Posteriormente, nos subúrbios do Sul da capital, foram encontrados os corpos de outras cinco pessoas crivados de balas, disse o capitão da polícia Mahir Hamad Mousa.Um grupo de pistoleiros matou dois trabalhadores numa padaria xiita no bairro Mansour, de Bagdá. Os homens armados saltaram de um veículo, atacaram a padaria a tiros e fugiram, disse. Uma terceira pessoa ficou ferida. Em duas operações na província de Diyala, uma região cada vez mais violenta situada no Norte de Bagdá, as forças iraquianas mataram dois supostos integrantes da al-Qaida e detiveram outros 40, disse o brigadeiro Qassim al-Mussawi, porta-voz do Comando Geral das Forças Armadas, a agência militar do primeiro ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.