Violência deixa seis mortos na Caxemira

Seis pessoas, inclusive quatro supostos militantes islâmicos, morreram em tiroteios ocorridos hoje na Caxemira indiana. Três dos supostos separatistas islâmicos morreram após seis horas de batalha com forças de segurança numa aldeia a sudoeste de Srinagar, a capital de verão do Estado indiano da Jammu-Caxemira, disse o porta-voz da Patrulha de Fonteira, Tirath Acharya. Num outro tiroteio, um homem descrito como um "militante estrangeiro" foi assassinado por forças indianas quando tentava um ataque suicida contra um posto de segurança em Arampora, a noroeste de Srinagar. Em Bandipore, homens armados não identificados assassinaram um capataz e um ex-militante islâmico. Enquanto isso, civis protestavam em Mochu, nos arredores de Srinagar, contra a morte de um homem aparentemente torturado quando estava sob custódia da polícia. Abdul Hamid Wani, de 45 anos, foi detido na semana passada por acusação de porte ilegal de arma e munição. A polícia alega que ele suicidou-se depois de enrolar no pescoço um fio elétrico amarrado num ventilador de teto. A família rejeita a versão da polícia. O governo local ordenou a abertura de um inquérito. Em Bombaim, uma bomba explodiu dentro de um ônibus estacionado nos arredores de uma estação ferroviária movimentada, deixando pelo menos dois mortos e 26 feridos. O ônibus estava vazio no momento da explosão, mas os destroços da bomba atingiram pedestres. A polícia está investigando o incidente e não revelou mais detalhes sobre o assunto.

Agencia Estado,

02 Dezembro 2002 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.