Violência desabriga milhares de pessoas no sul do Afeganistão

Dezenas de milhares de pessoas foram obrigadas a fugir das casas onde viviam por causa do recrudescimento da violência, e é possível que o número aumente ainda mais, alertou nesta terça-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).Entre 80.000 e 90.000 pessoas foram desabrigadas pelos combates ocorridos desde julho nas províncias de Kandahar, Uruzgan e Helmand, todas no sul do Afeganistão, disse Jennifer Pagonis, porta-voz do Acnur em Genebra."Esses novos deslocamentos aumentam ainda mais o sofrimento de uma população que antes dessa onda de violência já era composta por 116.400 pessoas deslocadas pelo conflito e pela seca", declarou."Nós acreditamos que haverá mais deslocamentos até que a situação esteja segura o bastante para que essa população possa retornar a suas casas", prosseguiu.Violência afegã Agências subordinadas à Organização das Nações Unidas (ONU) já estão distribuindo colchões de plástico, cobertores, roupas de frio para as crianças e outros itens para mais de 3.000 famílias em Panjwai e Zhari, dois distritos de Kandahar, detalhou ela.Enquanto isso, dois confrontos ocorridos no leste afegão resultaram na morte de seis pessoas, sendo quatro soldados afegãos e dois militares americanos.Um soldado da Otan morreu e outro "pode ter morrido" depois de uma batalha entre insurgentes e tropas internacionais na província de Kandahar. Durante o confronto, outros oito soldados ficaram feridos. A Otan não explicou o por quê de o soldado ter sido classificado como "supostamente morto". A nacionalidade dos mortos também não foi divulgada.Também nesta terça-feira, dois soldados americanos e um afegão morreram em confrontos ocorridos em Kunar. Em Paktika, três policiais de fronteira perderam a vida. Acredita-se que os ataques tenham sido promovidos por guerrilheiros leais à milícia fundamentalista islâmica Taleban.Os ataques ocorrem apenas dois dias antes da data prevista para que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) assuma o comando das operações militares estrangeiras em todo o Afeganistão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.