Violência em Kosovo apressa volta de Kostunica

O presidente iugoslavo, Vojislav Kostunica, interrompeu sua estada num fórum econômico na Suíca e voltou a Belgrado devido aos últimos atos de violência nas proximidades da província de Kosovo. Kostunica cancelou sua participação num painel sobre Iugoslávia por causa do "que está ocorrendo nos últimos dias" ao longo da volátil fronteira entre Kosovo e o resto da Sérvia, a principal república iugoslava. "A violência está se espalhando, e a situação geral no sul da Sérvia está se deteriorando rapidamente", disse ele após retornar do Fórum Econômico Mundial em Davos.Miliantes mataram um soldado na sexta-feira no que oficiais sérvios disseram ter sido uma tentativa de rebeldes albaneses de levar a violência para dentro do sul da Sérvia. Poucos dias antes, quatro soldados do Exército iugoslavo foram feridos em confrontos envolvendo tropas governamentais e rebeldes albaneses enquanto três outros sofreram ferimentos leves quando o veículo em que viajavam atingiu uma mina terrestre no domingo.Três militantes albaneses étnicos e um civil sérvio pego no fogo cruzado foram feridos em escaramuças neste fim de semana, segundo fontes em Kosovo que pediram para não ser identificadas. "Estou preocupado com a perda de vidas e com os feridos", afirmou Kostunica.Apesar de a área ser palco de repetidos ataques desde dezembro, a recente onda de incidentes pode forçar Kostunica a agir com mais urgência e determinação. Um fracasso em lidar com tal problema pode minar a confiança em sua administração e levar seu governo a ser criticado por incompetência - apenas um mês depois de ter consolidado o controle sobre os remanescente do regime do ex-presidente Slobodan Milosevic.A zona de contenção de cinco quilômetros entre Kosovo e o resto da Sérvia foi estabelecida pelo acordo de paz de Kosovo de 1999 que pôs fim a 78 dias de bombardeios aéreos da Otan. A campanha aérea foi lançada para parar a repressão de Milosevic contra albaneses étnicos de Kosovo.Pelo acordo, o Exército iugoslavo ficou proibido de entrar na zona de contenção e a polícia sérvia só pode patrulhá-la com armas leves. Militantes albaneses étnicos conquistaram o controle da maior parte da zona. A maioria dos ataques tem sido contra policiais sérvios, mas os militantes começaram recentemente a atirar contra tropas do exército estacionadas na beira da zona.Kostunica disse que iria se reunir imediatamente com a cúpula policial, do Exército e do governo em Belgrado. Ele planejava discutir "medidas concretas" que a nova liderança pode assumir. O líder pró-democracia da Iugoslávia disse acreditar que a última violência era uma tentativa dos insurgentes de "montar uma armadilha" para seu governo a fim de sabotar "os esforços pacíficos e diplomáticos para resolver a crise".Kostunica propôs uma mudança no acordo de 1999 com a Otan para diminuir o tamanho da zona de contenção e permitir que o Exército chegue até um quilômetro de Kosovo - expulsando os militantes de seus atuais acampamentos em vilas albanesas na zona. A Otan já rejeitou anteriormente tais mudanças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.