Violência étnica já matou 30 no nordeste da Índia

Policiais mataram nesta terça-feira quatro pessoas envolvidas em distúrbios no Estado de Assam, no nordeste da Índia, onde conflitos étnicos dos últimos dias já mataram pelo menos 30 pessoas e deixaram milhares de desabrigados.

BISWAJYOTI DAS, Reuters

24 de julho de 2012 | 19h22

Os confrontos entre membros da tribo Bodo e colonos muçulmanos começaram há vários dias, numa região próxima a Bangladesh. Algumas vítimas foram mortas a golpes de facão, segundo agentes humanitários que viram os cadáveres.

A polícia interveio a tiros num tumulto no distrito de Kokrajhar, dominado pelos bodos, e matou quatro pessoas, segundo o inspetor-geral de polícia S.N. Singh. Outros quatro corpos foram achados por policiais num distrito vizinho.

"Cada vez mais vilas estão sendo queimadas por agressores nesta noite. A violência começou de novo à noite, após uma breve trégua", disse um funcionário público que pediu anonimato.

Horas antes, centenas de homens armados com lanças, porretes e pedras atacaram um trem expresso que passava por Kokrajhar, ferindo vários passageiros. Em outro incidente, várias pessoas foram baleadas e pisoteadas na tentativa da polícia de dispersar um grupo com cerca de 400 pessoas, segundo uma fonte policial.

Mais conteúdo sobre:
INDIAASSAMVIOLENCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.