Violência marca esforço de paz no Oriente Médio

Os prospectos para um novo esforço de mediação dos Estados Unidos foram amortecidos por mais violência no Oriente Médio neste domingo, quando um garoto palestino de 14 anos foi assassinado em um confronto com soldados israelenses e helicópteros do Exército judeu destruíram edifícios em Gaza, depois de um ataque de morteiro ter causado a morte de um soldado israelense. O subsecretário de Estado dos EUA, William Burns, e o novo enviado especial norte-americano, Anthony Zinni, que é general da reserva da Marinha dos Estados Unidos, deverão iniciar amanhã sua missão de paz, em uma tentativa de conter os confrontos entre palestinos israelenses antes que o conflito mine a coalizão internacional antiterrorismo liderada por Washington. Os mediadores deverão se reunir com o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, e o chanceler israelense, Shimon Peres. O presidente da Autoridade Palestina, Yasser Arafat, está viajando pelos países árabes e não deverá retornar até a quarta-feira. Desde o início dos confrontos, em 28 de setembro de 2000, 769 pessoas morreram no lado palestino e 198 no lado israelense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.