Violência marca início das eleições no Paquistão

Uma pessoa morreu e duas ficaram feridas nesta quinta-feira em um tiroteio dentro de um colégio eleitoral durante as eleições parlamentares paquistaneses, iniciadas hoje no país. O incidente, no qual participaram partidários das formações pró-governamentais e opositoras, ocorreu pouco depois do início das votações, em Nawazad, na província de Sindh, informaram funcionários da Comissão Eleitoral. Na capital do país, Islamabad, o número de eleitores é pequeno, apesar do governo militar ter insistido para que a população exerça o direito do voto. Cerca de 72 milhões de paquistaneses de um total de 142 milhões irão eleger um novo parlamento. O presidente Pervez Musharraf assumiu o poder em outubro de 99, depois de um golpe de Estado, e se comprometeu a convocar eleições em um prazo de três anos. O governo de Musharraf é acusado pelos partidos de oposição e a Comissão de Direitos Humanos do Paquistão de manipular o processo eleitoral. Apoiado pela legislação eleitoral, o general Musharraf barrou as candidaturas de dois de seus maiores opositores no Paquistão, o ex-primeiro-ministro Nawaz Sharif, deposto pelo golpe militar de Musharraf, e a ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, acusada de corrupção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.