Akhtar Soomro/Reuters - 10/10/10
Akhtar Soomro/Reuters - 10/10/10

Violência mata 17 em Karachi, no Paquistão

A maior cidade do país é alvo de insurgência e ainda busca se recuperar dos efeitos das enchentes

Faisal Aziz e Kamran Haider, da Reuters,

17 de outubro de 2010 | 05h43

A violência pré-eleitoral tirou a vida de ao menos 17 pessoas em vários ataques ocorridos na cidade de Karachi, no sul do Paquistão, informou neste domingo, 17, o ministro da saúde da província.

 

A eleição extraordinária foi realizada por conta de um lugar na assembleia da província logo que um legislador do Movimento Muttahida Qaumi (MQM) foi morto por homens armados em agosto, o que desencadeou mais de 100 mortes em uma semana.

O MQM é o partido mais influente em Karachi, a maior cidade do Paquistão e um importante centro comercial do País.

 

Karachi tem uma longa história de violência étnica, religiosa e sectária.

 

A cidade se tornou um importante alvo para militantes ligados à Al-Qaeda depois dos ataques de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, quando o Paquistão se somou à campanha de Washington contra os grupos rebeldes locais, e estrangeiros foram atacados várias vezes na cidade.

 

Junto com o desafio de tratar de conter a violência em Karachi, as autoridades do Paquistão enfrentam uma forte insurgência taleban, assim como a reconstrução de áreas devastadas pelas inundações de verão que causaram danos de mais de 9,7 bilhões de dólares.

 

Mohammad Saghir, ministro da saúde da província de Sindh, disse à Reuters que os ataques registrados no sábado, 16, à noite, foram assassinatos coletivos.

 

Ele disse que grupos de homens armados em várias partes de Karachi atacaram pessoas de diferentes grupos étnicos e políticos para "arruinar a paz desta cidade". Cerca de 40 indivíduos ficaram feridos, acrescentou.

 

Centenas de pessoas foram mortas em ataques seletivos desde o começo do ano DEM Karachi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.